Linguagem: EnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish

Chineses, americanos e árabes estão chegando ao solo de Marte

 

China, EUA e Arábia vao a Marte que tinha agua ha 3 bilhoes de anos. Imagem Lance HayashidaCaltec
12-02-2021 20:25:48 (253 acessos)
Imensas crateras como a Schiaparelli, estranhos buracos tomados por coloração marrom-escura nos Valles Marineris, desfiladeiros e montanhas desproporcionais. São revelações da NASA sobre Marte. Agora a sonda Tianwen-1, da China, está na órbita (210210) quase ao mesmo tempo que engenhos semelhantes também rondam o mesmo Planeta, enviados pelos EUA e Emirados Árabes Unidos. Veículo chinês de 240 quilos está prestes a chegar ao solo marciano onde ficará por 90 dias.

Cientistas chineses informam que a qualquer momento farão a descida em solo de Marte. Ali terão objetivos bem definidos como conhecer a estrutura do solo, as condições atmosféricas e levantamentos geofísicos. Há nos laboratórios em Terra, um aparato especial dedicado a imagens que serão usadas para mapeamento com exatidão. Se estão procurando sinais de algum tipo de vida no Planeta, não há dúvida.

Instalar uma Estação Espacial na órbita da Terra dentro dos próximos meses para colocar habitantes e observar como o organismo humano se comporta. Este é o primeiro propósito da "habitação" no espaço. A partir daí, a China quer trabalhar para colocar o homem na Lua. Este programa deve ser finalizado em 8 anos.

É a maior aproximação entre a Terra e Marte que está provocando essa "corrida" ao Planeta. Mas a busca tem muito a ver com política e avanços tecnológicos, cada país querendo mostrar que sabe, conhece e pode mais.

Quanto aos árabes que orbitaram Marte no último dia 9 de fevereiro de 2021, não se sabe se farão a descida e em qual ponto.

EUA que está em órbita, já anunciou que descerá na superfície de Marte dia 18 de fevereiro, onde colocará o robô chamado Perseverance. Vai realiza um "passeio" que basicamente pretende levantar informações detalhadas, as quais vai transmitindo a todo instante.

EUA tem pesquisado

Marte onde já colocou

robôs e reconheceu

Desde o início dos anos dois mil, a NASA vem desenvolvendo estudos no Planeta Marte. Desse lugar há muitas imagens e revelações, desde a visão do Rayl Valle descrito como um dos mais profundos no ambiente.

Uma das primeiras imagens mais próximas foi extraída em 25 de março de 2006 a uma altitude de 2.489 quilômetros (km). Foi quando se mostrou o que os pesquisadores disseram ser água sólida no interior do Planeta.

Para provar o feito, há imagens destacando o rastro da nava Opportunnity sobre o solo marciano. Revelaram-se as Dunas e um ambiente marcado pela poeira. Os Calles ou Valles Marineris, Grand Canyon Marciano, foram projetados com 5 mil km de comprimento e 10 mil metros de profundidade.

No imenso Valle marineris, há um vulcão, o Ophir Chasma, aparentemente inativo.

Apareceram nessa jornada os Vales Dao e Niger, canais de 40 a 100 km; também uma planície, Yardang, de areia nos arredores do Olympus, um vulcão com 25 km de diâmetro.

Outro documento exibe grandes e pequenos blocos de rocha, como um deserto de pedras. Aparecem ainda a cratera Galle e o vulcão Arsia; objetos redondos como bolas de boliche, sobre a imensidão do areal, muito parecido com o que se observa nas praias da Terra.   

Algo muito intrigante que as expedições poderão esclarecer, é um buraco sem fundo (FOTO), o Arsia Moons, indicado pela nave Mars Recoinnuissance. Só de olhar esse ambiente, dá calafrios.

 

 

Em 2008 foi mostrada a área reconhecida como rios (FOTO), vistos à distância, todos secos.

Tanto interesse em Marte, pode aumentar o conhecimento em tecnologia. Mas nesse Planeta já se sabe pelas investigações astronômicas que há reservas imensas de carbono e até um aquífero.

 

Fonte:
 

 Não há Comentários para esta notícia

 

Aviso: Todo e qualquer comentário publicado na Internet através do Noticiario, não reflete a opinião deste Portal.

Deixe um comentário

uT4XK