Linguagem: EnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish

Cresce 98% arrecadação com exploração mineral no Brasil

 

Exploracao de minerais no Brasil, cresce 98% em faturamento. Foto Agencia Brasil, Tania Rego.
21-07-2021 20:23:27 (97 acessos)
Setor mineral faturou no primeiro semestre de 2021, R$ 149 bilhões. Trata-se de um crescimento de 98% na comparação com os R$ 75,3 bilhões registrados entre janeiro e junho de 2020. Os dados foram divulgados (210721) pelo Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM), entidade que reúne as maiores mineradoras que atuam no Brasil. Apesar de menor, a comercialização saiu de 525 milhões de toneladas nos primeiros seis meses de 2020 para 535 milhões de toneladas no período, incremento de 2%.

Crescimento registrado no faturamento, foi influenciado pelo câmbio com a valorização da moeda Dólar, e pelos preços no mercado internacional.

"De maneira geral, as commodities vêm sofrendo aumento de preço. Algumas já registram certa estabilidade. Mas comparado com 2020, a combinação de preços e Dólar leva a esse faturamento expressivo." Análise é do presidente do conselho diretor do Instituto, Wilson Brumer.

O custo médio da tonelada de minério de ferro, na comparação entre os primeiros

semestres de 2020 e de 2021, saltou de US$ 91,04 para US$ 183,43: uma alta

de 101,5%. O Brasil é, depois da Austrália, o maior produtor mundial dessa 

commodity. Crescimentos expressivos também se deram nos preços do estanho

(76,7%), do cobre (65,8%), do níquel (41,5%), do alumínio (41%) e do zinco (38,7%).

Além disso, o Dólar está mais valorizado. Entre janeiro e junho de 2020, a moeda norte-americana teve cotação média de R$ 4,92. Já nos primeiros 6 meses de 2021, houve um salto para R$ 5,38.

O Estado do Pará manteve a fatia de 44% de participação no total do faturamento brasileiro. Minas Gerais respondeu por 41%, o que significa aumento no primeiro semestre de 2020, de 37%. Esses dois estados são os principais produtores do País.

Subiu 110,53% o saldo da balança comercial do setor mineral brasileiro no primeiro semestre de 2021, comparado com os 6 primeiros meses de 2020. As exportações registraram alta de 14% em volume e de 91% em Dólar. Foram gerados US$ 27,6 bilhões, quase o dobro dos US$ 14,4 bilhões do primeiro semestre de 2020.

Royalties e bilhões à economia

Com a alta do faturamento, o recolhimento de tributos também cresceu 98%, chegando a um total de R$ 51,4 bilhões. Considerando apenas a Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), conhecida como o royalty cobrado das mineradoras, a arrecadação foi de R$ 4,48 bilhões neste primeiro semestre. Trata-se de aumento de 111% na comparação com os primeiros 6 meses de 2020.

O IBRAM aposta em novo recorde da CFEM em 2021, superando os R$ 6,1 bilhões

recolhidos ao todo no ano passado. "Continuando a demanda forte de minerais

e os preços ficando no atual patamar, acreditamos que o CFEM pode fechar

o ano com algo em torno de R$ 9 bilhões. Se ultrapassar esse valor, não seria surpresa", diz Brumer.

Pela lei brasileira, os royalties da mineração tem esta maneira de distribuição: 10% para a União, 15% para o estado onde ocorre a produção, 15% para os estados afetados pela produção e 60% para o município onde ocorre a produção.

No grupo das 10 cidades com as maiores arrecadações, 3 são do Pará: Parauapebas, Canaã dos Carajás e Marabá. Todas as outras 7 são de Minas Gerais: Conceição do Mato Dentro, Itabirito, Congonhas, Mariana, Itabira, Nova Lima e São Gonçalo do Rio Abaixo.

"Tivemos no Brasil 2.510 municípios arrecadadores de CFEM no primeiro semestre de 2021", informa o diretor-presidente do IBRAM, Flávio Ottoni Penido.

 

Fonte: IBRAM e Agência Brasil
 

 Não há Comentários para esta notícia

 

Aviso: Todo e qualquer comentário publicado na Internet através do Noticiario, não reflete a opinião deste Portal.

Deixe um comentário

etb5K