19/12/2015 (00:01)

Acidentes de trânsito matam 1,25 milhão de pessoas por ano

Acidentes de trânsito são uma das principais causas de morte no mundo, vitimando 1,25 milhão de pessoas por ano, acumulando óbitos principalmente em países pobres. países de baixa ou média renda acumulam 90% das mortes no trânsito, enquanto somam 54% dos veículos no mundo. A Europa tem as menores taxas per capita, e a África, as maiores.

 

De acordo com relatório publicado (152019) pela Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas em 2013, mais de 41 mil pessoas perderam a vida nas estradas e ruas brasileiras. Desde 2009, o número de acidentes de trânsito no país deu um salto de 19 por 100 mil habitantes para 23,4 por 100 mil habitantes, o maior registro na América do Sul.

Entre os dez países mais populosos do mundo, no entanto, o Brasil aparece como destaque no relatório, cumprindo quatro dos cinco cinco principais fatores de risco no trânsito, que são: uso de cinto de segurança, capacete, limite de velocidade, segurança para crianças e proibição de ingestão de bebida alcoólica antes de dirigir. Na lista dos dez mais populosos, também se encontram Estados como China, EUA e Índia. Esses Estados somam 4,2 milhões de pessoas e 56% das mortes por acidentes de trânsito (703.000).

Campanhas ajudam reduzir

Apesar do alto número de acidentes, o estudo afirma que o número de mortes no trânsito está estabilizando, mesmo com o rápido aumento de veículos no mundo. Só no Brasil, segundo dados de 2013, há mais de 81 milhões de veículos registrados. O documento mostra que 79 países tiveram redução de fatalidades no trânsito, enquanto 68 aumentaram. De acordo com a OMS, os países com maior sucesso na redução de mortes na estrada desenvolveram sua legislação, a aplicação das leis e melhorando a segurança das estradas e carros.

Para a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, o relatório aponta melhoras. “O relatório mostra que as estratégias de segurança nas estradas estão salvando vidas. Mas também revela que o caminho para a mudança continua devagar”,

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

fckuUT