15/10/2015 (22:29)

Pesquisa do genoma de alimentos pode socorrer 1 bilhão que tem fome

Surge nas pesquisas uma esperança para enfrentar o desafio de sustentar com qualidade o suprimento alimentar para mais de 1 bilhão de pessoas que vivem o drama da fome física no mundo. Instituto Internacional de Pesquisa do Arroz (IRRI) e a FAO estudam genomas de variedades de arroz para maior produtividade com menos químicos e proteção ambiental.

 

A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) anunciou (151007), uma parceria com o Instituto Internacional de Pesquisa do Arroz (IRRI). Com o acordo, as pesquisas do Instituto sobre o genoma de milhares de variedades de arroz passarão a informar projetos e políticas para o desenvolvimento de plantações mais resistentes e sustentáveis.

A agência da ONU apoia o Tratado Internacional sobre os Recursos Genéticos das Plantas para Alimentação e Agricultura, iniciativa que deseja garantir a segurança alimentar no mundo através do estudo dos códigos genéticos das espécies de plantio. É no âmbito deste Tratado que a FAO firmou a parceria com o Instituto do Arroz.

 

Banco de dados global

De acordo com a agência, é crucial a necessidade de desenvolver variedades de safras que sejam mais produtivas, menos daninhas ao meio ambiente e também tolerantes a choques, em especial por conta do crescimento da população mundial e de crises na agricultura causadas por mudanças climáticas.

A FAO e o Instituto Internacional de Pesquisa do Arroz esperam construir, no futuro próximo, um banco de dados global com informações sobre o genoma de diferentes plantas e culturas. “Ter tanta informação sobre o arroz, que é, afinal, o alimento básico para metade da população mundial, na ponta dos dedos de todos é um grande passo na garantia da segurança alimentar para as gerações futuras, afirmou secretário do Tratado, Shakeel Bhatti.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

BxFrHB