12/09/2015 (23:12)

Técnico da FGV defende de novo sistema tributário. É contra reforma.

Queda na arrecadação de tributos para manter a complexa máquina pública não deve ser atribuída à crise da economia. É um sintoma de que o atual modelo de impostos no Brasil, está falido. Pensamento é do especialista em tributos, José Roberto Afonso, da Fundação Getúlio Vargas (FGV) que defende urgência de "um novo sistema e não simples reforma".

 

Segundo José Roberto, as bases do atual sistema datam de 1965 e são injustas, pois se baseiam em taxações cumulativas sobre o consumo. "Como os mais pobres consomem proporcionalmente mais do que os ricos, eles pagam mais. E pagam sem saber: os impostos vêm embutidos dentro do preço das mercadorias. A alíquota de 17% do ICMS, na verdade, é 21% porque o imposto incide sobre ele mesmo".

O especialista propõe um modelo que reúna os principais tributos em um único Imposto sobre Valor Adicionado. A ideia é simplificar. Para o deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), o sistema das micro e pequenas empresas, o Supersimples, tem dado certo por causa disso. "O Simples está sendo tão forte que tem mantido o emprego, embora haja recessão. É um oásis”, comentou o parlamentar.

José Roberto Afonso acrescentou que a simplificação deveria ser acompanhada de um sistema de partilha geral com estados e municípios. O economista lembrou que hoje o governo federal busca aumentar determinados tributos porque eles não são repartidos com os demais entes federativos, o que acaba causando distorções.

 

Sistema atual é imperfeito

José Roberto (esateve na Comissão Especial da Reforma Tributária da Câmara Federal) disse que o Imposto de Renda calculado sobre o lucro real das empresas, que reúne as 180 maiores do País, tem arrecadado metade do que recebe o sistema que se baseia em uma estimativa de lucro, fórmula usada pelas demais companhias.

O economista afirmou que um dos empecilhos para a mudança era o discurso de que seria perigoso alterar um modelo que apresentava aumento de arrecadação. Agora, apontou ele, a situação mudou.


 

 

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

YWLBWu