25/08/2015 (00:03)

Universidades brasileiras estão paralizadas e praticamente destruídas

Paralisadas a mais de 90 dias e despojadas de R$ 10,6 bilhões dos recursos orçamentários, as universidades federais do Brasil estão praticamente destruídas na essência do ensinar, pesquisar e fazer extensão. Hospitais universitários tiveram leitos reduzidos ao mínimo e greves se repetem anualmente, sempre pela valorização de recursos humanos.

 

Hoje os profissionais estão parados desde o dia 28 de maio. Professores e trabalhadores técnico-administrativos de instituições federais de ensino superior aguardam resposta do Governo sobre as reivindicações aprensentadas, mas, segundo os sindicatos da categoria, o movimento grevista continua, mesmo com a decisão dos professores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) de encerrar a greve na instituição. 

"Estamos em um momento importante de definições", diz Paulo Rizzo, presidente do Sindicato Nacional dos Docentes de Instituições de Ensino Superior (Andes-SN). Greve atinge 37 universidades federais e 3 institutos federais.  Rizzo diz que a UFRJ foi a primeira a decidir pelo fim da greve e que isso tem impacto, dado o tamanho da instituição. Mesmo assim acredita que a greve será mantida.

 

O que desejam os servidores

Os trabalhadores pedem melhores condições de trabalho e são contra os cortes orçamentários feitos em educação. No total, o contingenciamento feito pelo governo federal chega a aproximadamente R$ 10,6 bilhões no setor. Pedem também a reestruturação da carreira e a valorização de ativos e aposentados.

"Podemos até discutir uma flexibilização da nossa proposta, mas se é uma negociação, demanda que o governo responda a nossa pauta", diz o coordenador-geral da Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnico-Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil (Fasubra), Rogério Marzola.

"Têm sido recorrentes os cortes de energia elétrica. As instituições não estão conseguindo sequer bancar as contas mais básicas", diz. Os técnicos estão parados, segundo a Fasubra, em 62 instituições.

 

Propostas foram recusadas

O Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe) aderiu à greve há 43 dias. A entidade representa tanto os professores quanto os trabalhadores técnico administrativos dos institutos federais. A paralisação atinge 240 escolas em 25 estados.

"O plano de expansão do governo está parado e a precarização está avançando. Os institutos, assim como as universidades estão fazendo sorteio de que conta vão pagar no fim do mês", diz o coordenador geral do Sinasefe, Carlos Magno.

Os trabalhadores negociam benefícios e a questão salarial com o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, junto dos demais servidores do Executivo. As reuniões ocorrem desde março. No final de junho, o governo apresentou uma proposta de reajuste aquém da demandada pelos servidores, que foi rejeitada por unamidade. Sobre a previsão de apresentação de uma nova proposta, a pasta diz que ainda não há definição sobre o assunto.  

As entidades também se reúnem com o Ministério da Educação (MEC). Em nota divulgada na última sexta-feira (21), o MEC diz que o esforço do governo federal tem sido "incansável para garantir o diálogo contínuo e a solução para a greve". Diz ainda que a greve dos servidores federais preocupa muito, principalmente por conta dos alunos que estão sem aulas. "O MEC e o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão têm trabalhado em conjunto para reestabelecer a atividade acadêmica", diz a nota.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

NRdGRl