01/07/2015 (22:49)

Governador de São Paulo veta proibição de venda livre de canetas a laser

Projeto aprovado em 2013 pela Assembleia Legislativa para controlar a venda de canetas a laser, por representarem perigo à saúde pública e à aviação em geral, foi vetado pelo governador Geraldo Alkmin, de São Paulo. Medida se repete, a despeito dos argumentos técnicos e de profissionais de saúde, com relatos de acidentes de comprometimento da visão

 

Canetas de laser

podem causar lesões

permanentes na visão

130930 - 10:44

Venda livre de canetas com ponteira de laser tornou-se problema de saúde e segurança pública no Brasil. É o que indicam acidentes atendidos em consultórios médicos e relatório do CENIPA  (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos). Só em 2013 ocorreram 1356 notificações de laser disparado contra aeronaves até 18 de setembro.

Venda de canetas com ponteiras de laser está proibida em São Paulo. Dispositivo pode causar lesões permanentes na visão, diz especialista.

Apontar laser para um avião é crime com pena que pode chegar a 12 anos de prisão caso aconteça um acidente. O risco não é pequeno. Segundo o oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto, o ofuscamento ou cegueira temporária podem fazer o piloto perder o controle do avião. A brincadeira também virou mania entre torcedores que direcionam a luz no rosto de jogadores de futebol e juízes para atrapalhar o jogo do time adversário.

Queiroz Neto, conta que encaminhou a representantes do governo federal proposta para a regulamentação dos dispositivos de laser. Ele afirma que só os equipamentos de uso médico e industrial são normatizados pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). O problema é que as pessoas não relacionam a luz com problemas na visão. “Dependendo do tempo de exposição e da potência, estas ponteiras de laser podem causar desde ofuscamento e edema na córnea até lesões permanentes nos olhos”, afirma. O médico conta que já atendeu um jovem que teve queimadura superficial na retina provocada durante um rave. “As células da retina são irrecuperáveis”, adverte. Os sinais de que os olhos foram prejudicados pelo laser são: ofuscamento, perda temporária da visão, enxergar manchas ou reflexos e dificuldade de adaptação a ambientes escuros. Dificilmente um piloto fica cego por uma única exposição dos olhos à luz emitida pelo lazer. Mas o relatório do CENIPA mostra que ocorreram queimadura na retina de pilotos, ressalta.

Projeto de lei aprovado

A boa notícia é que a Assembléia Legislativa do estado de São Paulo aprovou em 17 de setembro, projeto de lei que proíbe a venda de canetas com ponteira de laser acima de acima de 5 mW (miliwatts).

A medida proposta pelo deputado, Luiz Carlos Gondim, prevê multa reajustávelde 500 UFESP (Unidades Fiscais do Estado de São Paulo). Equivale a R$ 9685 para estabelecimentos flagrados durante este ano vendendo ponteiras mais potentes.

O valor da multa dobra em casos de reincidência e o estabelecimento pode até ser lacrado se a comercialização persistir. Só as ponteiras para fins médicos e industriais podem ter amperagem maior após a sanção da proposta.

Segundo Queiroz Neto, a potência de 5 mW liberada pela medida é inofensiva à saúde ocular. “É a mesma amperagem utilizada em brinquedos e mouses de computador”, exemplifica. O especialista ressalta que a falta de regulamentação coloca em risco a visão até de quem participa de palestras. Isso porque, no mercado paralelo as ponteiras comercializadas geralmente têm potência suficiente para danificar a visão se forem fixadas prolongadamente. “Já atendi um menino que se feriu com uma dessas ponteiras usadas em palestras”, comenta.

Distribuição dos vôos atingidos por laser

Dados do CENIPA mostram que São Paulo tem o maior número de notificações de vôos atingidos por laser. Em 2013 foram 290 comunicados até 18 de setembro. O último no período aconteceu na cidade de Guarulhos, grande São Paulo. O relator disse que ao ser atingido por um laser verde quando o avião estava subindo sentiu ofuscamento e cegueira temporária. Por enquanto, só o Distrito Federalque este ano contabilizou 41 vôos atingidos por laser tem uma lei estadual que combate o uso em locais de grandes aglomerações. Para Queiroz Neto a proximidade da Copa, o maior risco para a visão das crianças e a quantidade de aviões atingidos não deixam dúvida de que a normatização deveria atingir todo o território nacional.

Confira a quantidade de vôos que já tiveram notificação em seu estado segundo o CEMIDE.

 

Acre - 7

Maranhão - 14

Rio de Janeiro - 49

Alagoas - 10

Minas Gerais - 188

Rio Grande do Norte - 9

Amazonas - 3

Mato Grosso do Sul - 26

Rondônia - 4

Amapá - 45

Mato grosso - 47

Roraima – 11

Bahia - 16

Pará- 26

Rio Grande do Sul - 44

Ceará -114

Paraíba - 12

Santa Catarina – 49

Distrito Federal - 41

Pernambuco - 29

Sergipe -3

Espírito Santo -130

Piauí - 36

São Paulo - 290

Goiás - 74

Paraná- 79

Tocantins - 0

Fonte: Instituto Penido Burnier SP - Eutrópia Turazzi

 

1 comentário para a notícia

Avatar

Rubens Benedeti

01/02/2019 às 02:26

O que fazer? Quando um pai, mãe e sua filhinha de 3 anos, usam esse laser, nas paredes, e janelas somente de vidro, transperecendo esta luz verde,para dentro do meu apto.,no 9°andar, nos incomodando,e assustando de noite, ao estarem invadindo minha privacidade?

Comente esta notícia 

 

xFVrx2