04/04/2013 (12:51)

Boa Justiça Não Se Consegue Só Com Novos Tribunais

Entidades de classe como a Ordem dos Advogados do Brasil, OAB, defendem novos tribunais no Brasil. Está correto, mas boa justiça não é só isso.

 

É preciso o zelo administrativo para prover ao Judiciario, recursos humanos e materiais. De nada adiantará a multiplicação de instituições, sem que haja pelo menos o dobro de juizes e servidores.

De nada adianta protestar contra o presidente Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), porque tem a coragem de se abrir nas discussões. Tenta corrigir defasagem histórica, que levou o Brasil ao pior quadro de injustiça, que sacrificou o tão decantado "estado de direito".

Não é possível falar em justiça, quando há milhões de processos dependendo de julgamento; quando as decisões dos juizes são aviltadas por administradores de estados e municípios, no caso dos precatórios; quando essas entidades públicas passaram sobre as sentenças que magistrados mandavam pagar; quando prefeitos e governadores surrupiaram os recursos de R$ 103 bilhões, repassados para pagar aposentados, trabalhadores, pensionistas, herdeiros, viuvas e viuvos, crianças...

Juizes de hoje são vítimas também, mas responsáveis, porque não determinam e executam as sentenças com a força policial. Estados padecem de intervenção federal por causa de precatórios, mas não se conhece na história uma execução a respeito.

Por enquanto serve toda rezão ao presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa. É claro que no momento oportuno, deverá exibir de público os maus profissionais, usando atribuições de presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

QtNeKh