04/10/2018 (22:14)

Horário de verão é um atentado à saúde, diz médico neurologista

Fim do horário de verão dá menos impacto do que o início. Dura uma semana ou mais o período de adaptação do corpo humano, diz Raimundo Rodrigues. Raimundo Nonato Delgado Rodrigues é neurologista e professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília (UnB). Opina que o horário de verão "é um atentado à saúde das pessoas".

 

O corpo deve se habituar à mudança gradualmente e, no período de adaptação, que deve durar em torno de uma semana, as pessoas tenderão a acordar mais cedo e vão sentir sono mais cedo à noite. “O ideal seria aos poucos fazer com que o sono fosse atrasado, de forma que a pessoa acordasse um pouquinho mais tarde”.

Para o neurologista, o horário de verão é um atentado à saúde das pessoas. “Perder uma hora de sono pode parecer pouco, mas o cérebro sente muito mais do que podemos imaginar, não só em termos de cansaço, mas também na alteração na produção hormonal e na fragmentação do sono”. Se o débito de sono for muito acumulado, as pessoas podem correr riscos, principalmente na hora de exercer atividades que necessitem de vigília, como dirigir ou operar máquinas (matéria do acervo de N).

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

qvLZBU