28/08/2012 (14:23)

Secretario-Geral Da ONU Diz Que Corrupção Dá Prejuizo De U$ 40 Bilhões

Prejuizos de U$ 40 bilhões dá a corrupção em paises em desenvolvimento. Alerta é de Ban Ki-moon, Secretario-Geral da Organização das Nações Unidas.

 

“A corrupção prejudica a capacidade das nações de prosperar e crescer”. É o que disse o Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, no encerramento de um painel de alto nível organizado pelo Conselho Econômico e Social das Nações Unidas (ECOSOC), em Nova York. Alertou que, em 2011, a corrupção representou perdas de 30% para toda assistência ao desenvolvimento dos países.

O Diretor Executivo do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), Yury Fedotov, destacou que a prevenção e o combate a corrupção deve ser uma responsabilidade compartilhada entre todos os setores da sociedade.

“Em dados extremamente conservadores, o UNODC e o Banco Mundial estimam que cerca de R$ 40 bilhões são roubados de países em desenvolvimento a cada ano. O alto custo da corrupção é pago por cidadãos comuns que não podem obter serviços básicos devido ao desvio de fundos”.

“Isso se traduz em pontes, hospitais e escolas que nunca foram construídos, e em pessoas que vivem sem o benefício desses serviços”, afirmou Ban Ki-moon, que considera os países pobres como os mais afetados pela corrupção, dada a vulnerabilidade das instituições e do Estado de Direito. “Esta é uma falha de responsabilização e transparência. Não podemos deixar que persistam. Nem a paz e nem o desenvolvimento humano podem florescer em um ambiente de corrupção”.

O painel propôs a inclusão de metas de combate a corrupção em todos os programas de desenvolvimento nacional, além de instar os países a ratificarem e aderirem à Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção, o primeiro instrumento global com poder vinculativo a obrigar os Estados a prevenir e criminalizar a corrupção. Ela também prevê a cooperação internacional, com assistência técnica e troca de informações, assim com exige a recuperação dos ativos roubados.

A Convenção, da qual o UNODC é guardião, obriga os Estados a prevenir e criminalizar a corrupção, promover a cooperação internacional, recuperar ativos roubados e melhorar a assistência técnica e troca de informações tanto no setor privado quanto no setor público. A Convenção foi ratificada por 160 Estados-Membros.

Mais de 500 delegados, incluindo ministros e chefes de grupos da sociedade civil, instituições internacionais e do setor privado, participaram do segmento de alto nível do ECOSOC, que concentrou as discussões no aumento da capacidade produtiva, fortalecimento da cooperação de desenvolvimento e criação de trabalho decente e sustentável.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

brsuE3