10/01/2011 (19:12)

Nos EUA, Detenção Para Famílias É Modelo Humanitário

Um lugar onde vivem refugiados em família é considerado modelo pelo Alto comissariado das Nações Unidas Para Refugiados (ACNUR). Fica nos EUA.

 

Centro Familiar de Detenção Para Refugiados, fica no município de Berks, interior da Pensilvânia. As mulheres se juntam pelos corredores, conversando e tricotando, enquanto os filhos vão à escola nas salas de aula do próprio Centro. O tempo frio significa que ninguém está utilizando os extensos pátios ou suas mesas de piquenique.


A aparente calmaria do abrigo contrasta com os tumultos que muitos de
seus residentes enfrentaram antes de chegarem lá. A história de cada
pessoa é única, mas todos compartilham a experiência de terem sido
detidos por autoridades imigratórias enquanto tentavam entrar nos
Estados Unidos. Por ser o único centro de detenção familiar no país, os
residentes de Berks foram enviados para lá desde lugares tão distantes
como a fronteira mexicana.

“A maioria das famílias aqui estão buscando refúgio nos Estados
Unidos”, disse Cammilla Wamsley, diretora da Unidade Residencial
Familiar e Juvenil, da Agência de Imigração e Alfândega (ICE). “A
maioria dos residentes estão habilitados a concluir o processo que os
permitiria receber liberdade condicional dentro de 65 dias, embora
possam continuar aqui por mais tempo caso não tenham aonde ir”.

O abrigo de Berks oferece serviços de apoio psicológico, e para muitos
essa é a primeira oportunidade para falar sobre os abusos que sofreram
ao longo de suas vidas. Além disso, a cada família é designada um tutor,
empregado pelo município de Berks, que garante que as necessidades dos
resides de acesso a serviços sociais básicos sejam atendidas durante o
período de detenção.

Enquanto seus casos são julgados, muitos solicitantes de refúgio nos
Estados Unidos são mantidos em centros de detenção lado a lado com
pessoas que enfrentam processos criminais ou imigratórios. Os dados mais
recentes do Departamento de Segurança Nacional indicam que, no ano de
2008, aproximadamente nove mil dos 30 mil indivíduos em centros de
detenções eram solicitantes de refúgio.

“O ACNUR acredita fortemente que a ampla maioria dos solicitantes de
refúgio não deveria estar presa”, afirmou Vincent Cochetel, o
representante regional do ACNUR para os Estados Unidos e o Caribe.

Fonte: Alto Comissariado da ONU Para Refugiados

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

eNSocU