21/04/2011 (23:30)

Falta Política Pública Para Evitar Mortes Com Desastres Naturais

Políticas públicas preventivas que previnam desastres com fenômenos naturais, isso defendeu Wilson Lange, da Academia Pan-americana de Engenharia.

 

Lang (ex-presidente do Cnselho Federal de Engenharia e Arqitetura) alerta para a necessidade do Estado ter políticas públicas preventivas para evitar consequências desastrosas quando ocorrem fenômenos da natureza como chuvas em grande volume e terremotos.

Segundo o especialista, o Brasil precisa levar em conta que a chuva é um componente natural como os terremotos em outros pontos do planeta, sendo, por isso, necessário o cuidado com a prevenção.

“Essa é uma questão nacional, não é do Rio de Janeiro especificamente, o Brasil tem que perceber que a engenharia tem a solução para isso. Com certeza, o que o estado paga por conta desta tragédia, teria resolvido tecnicamente todos os problemas a contento e nós não teríamos que correr atrás das tragédias. No mundo desenvolvido, fazem-se os investimentos antes, para proteger a vida, e não para chorar as mortes”.


O especialista apontou três quesitos a serem levados em consideração na tomada de decisões preventivas: o primeiro é a questão da moradia segura, que para o engenheiro, só será possível quando não houver habitações em encostas.

O segundo é o princípio do sistema de drenagem urbana. Os bueiros precisam ser limpos e a população se conscientizar da importância de não jogar lixo nas ruas, observou Lang. E o terceiro ponto é um sistema de alerta meteorológico que preveja também a quantidade de chuva e não apenas se vai ou não chover.

O engenheiro fez um alerta para que as autoridades de Defesa Civil, fiquem atentas aos problemas que chuva intensas podem causar à capital baiana.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

F9Vkey