28/09/2013 (22:00)

Rejeição aos Transplantes de Coração É de Apenas 10% no Mundo

Rejeição nos transplantes cardiacos é de apenas 10% na média mundial. Mas em 3 de dezembro de 1967, o primeiro transplantado, morreu 18 dias depois.

 

Hoje pouca gente lembra, mas o primeiro ser humano a receber um coração de outro (Louis Waskansky, de 53 anos), foi graças à coragem e perícia do cirurgião Christiaan Barnard, da Cidade do Cabo, na África do Sul. 


Equipe de cirurgia chegou ao fim do procedimento às 5:25 horas de 3 de dezembro de 1967, no hospital Grote-Schuur. Barnard tinha 44 anos (morreu em 2001). Num trabalho de 5 horas, retirou o coração de uma jovem de 25 anos, que morrera acidentada.


Apesar do feito de repercussão mundial, créditos devem ser dados ao cirurgião e professor Shamway e  equipe, na Stanford University, da Califórnia. São os verdadeiros pais do transplante de coração. Fizeram experimentos com animais vários anos. Com esse grupo Barnard trabalhou durante todo tempo.


Barnard fez o segundo transplante no início de janeiro de 1968. Trocou o coração do dentista Philip Blaiberg que viveu durante 1 ano e 7 meses. Depois disso foram desenvolvidos outros transplantes na unidade de Palo Alto e Stanford University, da Califórnia.


Tecnicamente os profissionais médicos avaliam que a cirurgia é simples porque consiste na ligação de 2 vasos condutores do sangue para o sistema cardiaco. Desafio mesmo que ainda resiste em parte é a rejeição do órgão transplantado. Contudo a medicina considera-se exitosa porque os problemas estão sendo superados quase que definitivamente. Hoje os centros médicos realizam quase todo tipo de transplante.


Dia 3 de dezembro é uma data que a humanidade precisa lembrar e comemorar. Christiaan Barnard não é suficientemente lembrado pelas comunidades internacionais.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

kvBYom