11/01/2019 (16:38)

Políticas erradas encarecem alimentos e pioram economia mundial

Políticas introduzidas em 2010-2011 podem ter sido responsáveis ​​por 40% do aumento do preço mundial do trigo e um quarto do aumento do preço do milho. Estima-se que o aumento do preço dos alimentos, desse período, empurrou 8,3 milhões de pessoas para a pobreza. Dificuldades que vai enfrentar a economia começam com tensões no comércio mundial.

 

Pioraram as perspectivas para a economia global em 2019. Quadro ruim

está descrito num documento divulgado pelo Bancol Mundial (190109).

Enquanto as tensões comerciais permanecem elevadas, o comércio

internacional e o investimento desaceleram, em um cenário em que grandes

mercados emergentes sofreram pressões financeiras substanciais no ano passado.

A expectativa do Banco Mundial é de que o crescimento nos mercados emergentes e nas economias em desenvolvimento permaneça estável em 2019. A recuperação nas economias que dependem fortemente das exportações de commodities provavelmente será muito mais lenta do que se esperava. Já o crescimento das demais economias deve desacelerar.

Além disso, aumentam as chances de o crescimento ser ainda mais fraco que o previsto, segundo o relatório “Global Economic Prospects” de janeiro de 2019.

A previsão do Banco Mundial é de crescimento de 2,9% da economia global em 2019, frente a 3% este ano. Para os Estados Unidos, a projeção é de avanço de 2,5%, frente a 2,9% em 2018. Para a zona do euro, a expectativa é de avanço de 1,6% (diante de 1,9% em 2018) e, para o Japão, de 0,9% na comparação com 0,8% no ano passado.

Para o Brasil, o organismo internacional projeta crescimento econômico de 2,2% em 2019 e de 1,2% este ano. Já para a China, o PIB deve subir 6,2%, frente a estimados 6,5% no ano passado.

Os bancos centrais das economias avançadas continuarão a remover as políticas acomodativas que apoiaram a recuperação prolongada da crise financeira global dez anos atrás, segundo a entidade. Além disso, disputas comerciais podem aumentar. Níveis mais altos de endividamento tornaram algumas economias, particularmente países mais pobres, mais vulneráveis ​​ao aumento das taxas de juros globais, às mudanças no sentimento dos investidores ou a flutuações nas taxas de câmbio.

Além disso, eventos climáticos mais frequentes levantam a possibilidade de grandes oscilações nos preços dos alimentos, o que pode aprofundar a pobreza. Como o crescimento equitativo é essencial para aliviar a pobreza e aumentar a prosperidade compartilhada, os mercados emergentes e as economias em desenvolvimento precisam enfrentar esse clima econômico desafiador tomando medidas para sustentar o ímpeto econômico, preparando-se para a turbulência e fomentando o crescimento de longo prazo, de acordo com o Banco Mundial.

A reconstrução do orçamento e de sistemas de proteção dos bancos

centrais; a proteção do capital humano; a promoção da integração

comercial; e a abordagem dos desafios colocados por grandes setores

informais, por vezes, são formas importantes de fazer isso, apontou o organismo.

“No início de 2018, a economia global estava disparando, mas perdeu velocidade durante o ano, e a corrida pode ficar ainda mais irregular neste que começa”, disse a principal executiva do Banco Mundial, Kristalina Georgieva.

“À medida que os obstáculos econômicos e financeiros se intensificam para os países emergentes e em desenvolvimento, o progresso mundial na redução da pobreza extrema pode ser comprometido. Para manter o ímpeto, os países precisam investir em pessoas, fomentar o crescimento inclusivo e construir sociedades resilientes”.

O Banco Mundial publica o relatório duas vezes ao ano, em janeiro e junho, como parte de sua análise dos principais desenvolvimentos macroeconômicos globais e seu impacto nos países-membros. A promoção de um crescimento econômico equitativo e sustentável é o objetivo central da organização, que visa acabar com a pobreza extrema e impulsionar a prosperidade compartilhada.

O relatório fornece dados para apoiar o alcance desses objetivos e é um recurso confiável para clientes, partes interessadas, organizações civis e pesquisadores, segundo o organismo internacional.

Dívida pesa nos países

Abordar os altos níveis de endividamento dos países também é uma preocupação cada vez mais importante. Nos últimos anos, muitos países de baixa renda tiveram acesso a novas fontes de financiamento, incluindo fontes privadas e credores fora do Clube de Paris. Isso permitiu que financiassem seus projetos de desenvolvimento. No entanto, também contribuiu para o crescimento da dívida pública, apontou o organismo internacional.

Os níveis de dívida do governo entre os países de baixa renda aumentaram de

30% para 50% em relação ao PIB nos últimos quatro anos. Os países de baixa

renda estão usando uma proporção crescente das receitas governamentais para

fazer pagamentos de juros. Tais pressões de serviço da dívida crescerão mais se

os custos de empréstimos aumentarem como é esperado para os próximos anos.

Nestas circunstâncias, nas quais as condições de financiamento foram apertadas abruptamente, os países registraram súbitas saídas de capital e dificuldades para refinanciar suas dívidas.

Idealmente, a dívida pública deve ser sustentável e paga sob uma ampla gama de circunstâncias a custos razoáveis. Ao aumentar a eficácia da mobilização de recursos, dos gastos públicos, bem como fortalecer a gestão e a transparência da dívida, os países de baixa renda podem reduzir a possibilidade de estresse oneroso da dívida, apoiar o desenvolvimento do setor financeiro e reduzir a volatilidade macroeconômica.

Informalidade é a regra

Outro caminho para um desempenho econômico mais forte pode ser abordar os desafios associados ao setor informal na economia. O emprego e os negócios fora das estruturas regulatórias, legais e financeiras estão difundidos em muitos mercados emergentes e economias em desenvolvimento.

Cerca de um terço do PIB em mercados emergentes e economias em desenvolvimento vem do setor informal, e cerca de 70% do emprego nessas economias é informal. Em alguns países da África Subsaariana, o emprego informal representa mais de 90% do emprego, e o setor informal produz até 62% do PIB. Os meios de subsistência dos pobres dependem frequentemente da atividade informal.

O setor informal prospera em certos ambientes: a alta prevalência da informalidade está associada ao subdesenvolvimento econômico, altos níveis de tributação e regulamentação pesada, além de corrupção e ineficiência burocrática. No entanto, embora às vezes ofereça vantagens em termos de flexibilidade e emprego, um grande setor informal é frequentemente associado a menor produtividade, redução de receitas fiscais e maior pobreza e desigualdade.

As empresas informais produzem 1/4 do que é produzido pelas empresas do setor formal, mostra uma nova pesquisa do Banco Mundial. Os trabalhadores da economia formal ganham em média 19% mais do que os da economia informal. Os países com os maiores setores informais têm receitas que são de 5 a 10 pontos percentuais do PIB mais baixas do que aqueles com níveis mais baixos de informalidade.

Os formuladores de políticas podem elaborar estratégias abrangentes de desenvolvimento que, como benefício colateral, reduzam a informalidade. Além disso, devem tomar cuidado para evitar transferir trabalhadores para o setor informal.

Uma política pública correta equilibra reformas como a melhoria da

administração tributária, flexibilizando o mercado de trabalho e

fortalecendo a fiscalização regulatória, com melhor oferta de bens e

serviços públicos, além de sistemas de previdência social mais robustos.

Erros pela intervenção

Buscar proteger as populações vulneráveis ​​dos aumentos dos preços dos alimentos, pode exigir mudança de ênfase das políticas comerciais. No passado, as autoridades intervieram com medidas comerciais para atenuar o impacto das flutuações dos preços dos principais produtos alimentares, incluindo arroz, trigo e milho.

Mas, embora os países individuais possam ter sucesso a curto prazo em proteger os mercados domésticos das flutuações de preços, a ação coletiva em todo o mundo pode exacerbar a volatilidade dos preços dos alimentos e elevá-los – prejudicando aqueles com as margens mais finas de segurança. Políticas introduzidas em 2010-2011 podem ter sido responsáveis ​​por 40% do aumento do preço mundial do trigo e um quarto do aumento do preço do milho. Estima-se que o aumento do preço dos alimentos desse período empurrou 8,3 milhões de pessoas para a pobreza.

Enquanto os preços dos alimentos caíram desde a virada da década, a fome mundial e a insegurança alimentar subiram entre 2014 e 2017. O número de pessoas subnutridas aumentou 5%, para 821 milhões, durante esse período, e os desafios de segurança alimentar foram recentemente reconhecidos como prioridade urgente do G-20.

Além disso, aumentos dos preços dos alimentos do tipo experimentado em 2010-2011 poderiam ocorrer novamente à medida que eventos climáticos extremos aumentam a possibilidade de interrupção da produção.

Em vez de intervenções como a proibição de exportações ou a redução de

tarifas de importação, abordagens eficazes para suavizar o impacto do aumento

de preços incluem melhores redes de segurança, como transferências de dinheiro

e alimentos, alimentação escolar e programas de obras públicas. É importante

que os países tenham uma estratégia para responder a crises alimentares

e fornecer recursos adequados para esses programas.

Inflação baixa pode acabar

Mesmo que os formuladores de políticas e constituintes procurem manter e acelerar o crescimento em período de declínio, não podem dar como certo a característica que tem desempenhado papel importante em estimular a atividade nos últimos anos: um longo período de inflação baixa e estável.

A inflação baixa e estável está associada a uma maior estabilidade de produção e emprego, maior crescimento e melhores resultados de desenvolvimento. Em contraste, a inflação alta corrói o crescimento, minando a confiança do investidor e os incentivos para economizar. Apesar de algumas exceções notáveis, os mercados emergentes e as economias em desenvolvimento alcançaram o notável feito de reduzir a inflação de dois dígitos da década de 1970 para cerca de 3,5% em 2018.

No entanto, a manutenção da baixa inflação não é garantida, e uma série de fatores pode conspirar para elevá-la nos próximos anos. Uma década após a crise financeira global, muitas economias estão operando perto do pleno emprego. O ritmo da integração econômica global pode diminuir ou ser revertido. A independência e a transparência do banco central, dificilmente conquistadas, poderiam corroer-se diante das pressões para financiar o governo. Uma dívida crescente poderia enfraquecer o compromisso com regimes fiscais e monetários fortes.

Se pressões inflacionárias globais aumentarem, os formuladores de

políticas podem proteger seus eleitores redobrando seu apoio à

independência do banco central, construindo estruturas fiscais

para assegurar sustentabilidade da dívida e mantendo amortecedores

adequados para enfrentar as recessões econômicas.

À medida que a perspectiva econômica global se torna mais sombria, o imperativo de manter o ímpeto econômico exigirá tirar o máximo proveito das oportunidades de crescimento, evitando as armadilhas e construindo amortecedores contra possíveis choques. Lições do passado sobre dívidas, fé em instituições públicas, segurança alimentar e estabilidade de preços podem oferecer orientação em um ambiente cada vez mais desafiador, salientou o Banco Mundial.

Clique aqui para acessar o relatório completo (em inglês).

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

yWdaY4