08/01/2019 (21:32)

Bandeira Azul certezas e dúvidas para praias de Santa Catarina

Apagões, falta de acesso à internet, distâncias desconfortantes, poucos ambientes seguros para alimentação, falta de abrigos para turistas diante das temperaturas muito altas, acima de 40 graus, inexistência de serviços para eventuais necessidades como tecnologias, oficinas de veículos e trânsito congestionado, especialmente no caso de Camboriú.

 

Essas e outras dificuldades que tornam a vida dos visitantes muito difícil, contestam a classificação de Bandeira Azul, oferecida a praias de Governador Celso Ramios, Camboriú e Florianópolis, em Santa Catarina. Desafios são tão intensos que turistas originários do norte, aqui incluindo-se Paraná, levam até mais de 9 horas para percorrer 280 quilômetros (km) no caso de Governador Celso Ramos e mais de 12 horas, para Florianópolis e praias mais distantes.

Tão precário é a vivência do turista comum, que é penalizado no ambiente quente das praias, sem dispor de energia elétrica, determinadas horas da madrugada. Durantes os dias de final e início de ano novo, centros de saúde pública permaneceram fechados!

Restaurantes se esforçam para oferecer comida razoável, mas não são suficientes. Em Praia das Palmas, por exemplo, apenas 2 estão nessa condição. E lá dentro o ar condicionado não funciona; acaba falhando em pleno meio do dia com as salas lotadas de clientes. Como são poucos na condição regular, nem vamos falar nomes para não prejudicar empreendedores esforçados. Num desses a proprietária pediu para clientes esperarem lá fora,  porque só abriria depois das 19 horas.

Também no item informação há falhas, a despeito da boa vontade e simpatia dos catarinenses. Classificadores do Bandeira Azul, precisam visitar e cuidar melhor das decisões tomadas. Ou fazer melhor: associarem-se às autoridades e empresários do segmento de turismo, para promover treinamento e melhorias. Visitem Caiobá (Paraná) para ver e aproveitar, ambientes da alimentação, o policiamento, os cuidados com serviços de saúde.

Só analisamos os problemas para melhorar e porque o que há de bom não chega ao visitante que não é proprietário, justamente a quem se deve atender com o máximo de atenção, para que fale bem e retorne, quem sabe empreender.

 

181226 - 20:09 horas

Bandeira Azul para praias do Brasil contempla Santa Catarina

Pelo menos 6 praias de Santa Catarina, região sul do Brasil, estão contempladas com o "Bandeira Azul", um programa internacional de certificação. Indicadas estão Praia de Palmas e Praia Grande (Governador Celso Ramos), Lagoa do Peri (Florianópolis), Praia do Estaleiro e Praia do Estaleirinho (Camboriú) e Praia de Piçarras (Balneário Piçarras).

Entre as quer se encontram referenciadas com Bandeira Azul, estão ainda Praia do Tombo (Guarujá, São Paulo), Praia do Peró (Cabo Frio, Rio de Janeiro), Praia de Ponta de Nossa Senhora do Guadalupe, Ilha do Frade, Salvador, Bahia).

 

 

Temporada 2018-2019

 

Praias:

Praia do Tombo – Guarujá, SP

Praia de Palmas – Governador Celso Ramos, SC

Praia Grande – Governador Celso Ramos, SC

Lagoa do Peri – Florianópolis, SC

Praia de Ponta de Nossa Senhora do Guadalupe, Ilha do Frade – Salvador, BA

Praia do Estaleiro – Balneário Camboriú, SC

Praia do Estaleirinho – Balneário Camboriú, SC

Praia de Piçarras – Balneário Piçarras, SC

Praia do Peró – Cabo Frio, RJ

 

Marinas:

Marina Costabella  – Angra dos Reis, RJ

Marinas Nacionais – Guarujá, SP

Iate Clube de Santa Catarina (sede centro) – Florianópolis, SC

Marina Kauai – Ubatuba, SP

Marina Tedesco – Balneário Camboriú, SC

 

Embarcações de Turismo Sustentável:

Água Viva Mergulho – Florianópolis, SC

 

O que é o programa Bandeira Azul?

O Programa Bandeira Azul tem como objetivo elevar o grau de conscientização dos cidadãos e dos tomadores de decisão para a necessidade de se proteger o ambiente marinho e costeiro e incentivar a realização de ações que conduzam à resolução dos conflitos existentes.

Programa Bandeira Azul é uma iniciativa da

FEE (Foundation for Environmental Education

Fundação para Educação Ambiental) que conta hoje

com apoio de diversas instituições internacionais.

No Brasil é operado pelo Instituto Ambientes em Rede,

com sede em Florianópolis, SC.

Programa começou em 1987 na Europa (no Brasil a partir de 2004) e é aberto a praias marítimas, fluviais e lacustres, além de marinas, sendo necessário a participação dos municípios. Tem envolvimento de instituições locais que representam os vários segmentos da Sociedade Civil (moradores, iniciativa privada, empreendedores, comunidades tradicionais e grupos atuantes, ONGs e demais associações). Podem colaborar na implantação e efetivação do Programa.

A certificação Bandeira Azul será sempre outorgada à municipalidade onde se localiza a praia que cumpra todos os critérios.

Programa Bandeira Azul baseia-se em princípios de sistema de gestão ambiental. Ao cumprir uma série de critérios a praia ou marina que participa do Programa, solicita a certificação internacional: a Bandeira Azul.

Obter a Bandeira é uma grande responsabilidade que deve ser traduzida em mudança de comportamento e gestão responsável; hastear a bandeira é somente o início deste processo de mudança.

 

www.blueflag.global

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

cnFRtF