28/09/2018 (20:30)

Poluição agrava doenças em 4.300 cidades de 108 países

Altos níveis de poluentes, material articulado, estão presentes no ambiente de 4.300 cidades de 108 países. Essas substâncias penetram profundamente no corpo, agravando o risco de acidentes vasculares cerebrais (AVC), doenças cardiovasculares, câncer de pulmão, doenças pulmonares obstrutivas crônicas e infecções respiratórias, inclusive pneumonia.

 

Em encontro de especialistas e gestores de saúde em Brasília, a Organização

Pan-Americana da Saúde (OPAS) anunciou (180925) que a poluição do ar

mata 7 milhões de pessoas por ano em todo o mundo. Nove em cada dez

moradores do planeta Terra respiram altos níveis de poluentes. Organismo

da ONU pediu esforço conjunto das nações para combater a contaminação da atmosfera.

“Vivemos um cenário alarmante no mundo em relação à qualidade do ar”, afirmou Katia Campos, coordenadora de Determinantes da Saúde, Doenças Crônicas Não Transmissíveis e Saúde Mental do escritório da OPAS no Brasil.

Mais de 4,3 mil cidades em 108 países estão incluídas no banco de dados de qualidade do ar ambiente da Organização Mundial da Saúde (OMS). A plataforma é o banco de dados mais abrangente sobre o tema, com as concentrações médias anuais de material particulado fino (PM10 e PM2.5) nos municípios cadastrados.

Com representantes da academia e governo, a reunião na capital federal antecipou a realização em Nova Iorque da Primeira Conferência Global sobre Poluição do Ar e Saúde.

“A ideia é que as deliberações deste evento possam contribuir para uma agenda sistemática de medidas práticas para reduzir os índices de poluição do ar nas cidades do Brasil, contribuindo também para a diminuição dos poluentes em nível global”, acrescentou Campos sobre o encontro em Brasília.

OPAS reuniu especialistas da academia e governo para debater problema da poluição do ar. Foto: OPAS

OPAS reuniu especialistas de universidades e governo para debater problema da poluição do ar. Foto: OPAS

 

Também participam do evento em Brasília membros da ONU Meio Ambiente, Ministério da Saúde, Ministério da Ciência e Tecnologia, Ministério das Cidades, Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Ministério do Meio Ambiente, Ministério dos Transportes, Ministério de Minas e Energia, Universidade do Estado de Mato Grosso, Universidade de São Paulo (USP), Instituto Saúde e Sustentabilidade, Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental, Procuradoria Regional da República, Instituto Energia e Meio Ambiente e Companhia Ambiental do Estado de São Paulo.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

OMywCy