09/08/2018 (20:13)

Hiroshima e Nagasaki, 73 anos depois da bomba atômica

Mundo precisa da liderança moral e contínua do povo de Hiroshima, disse (180806) a principal autoridade de desarmamento das Nações Unidas, Izumi Nakamitsu. Lembrou o 73º aniversário do bombardeio atômico que devastou a cidade. Também lamentou que, após décadas de esforços para um mundo livre de armas nucleares, o progresso tenha sido interrompido

 

“As tensões entre os Estados detentores de armas nucleares estão aumentando. Os arsenais nucleares estão sendo modernizados e, em alguns casos, ampliados”, afirmou Izumi Nakamitsu, representante para assuntos de desarmamento, falando em nome do secretário-geral da ONU, António Guterres, na cerimônia do Memorial da Paz de Hiroshima.

Em 6 de agosto de 1945, o bombardeio de Hiroshima por parte dos Estados Unidos matou dezenas de milhares de pessoas, muitas das quais sucumbiram aos ferimentos nos meses seguintes ao ataque. Aqueles que sobreviveram ao bombardeio em Hiroshima — e em Nagasaki, alguns dias depois — são denominados “hibakusha” no Japão.

“É um privilégio prestar homenagem aos cidadãos de Hiroshima e a todos aqueles que enfrentaram a destruição nuclear nas semanas, meses e anos que se seguiram, e em solidariedade aos hibakusha e suas famílias”, disse Nakamitsu, ressaltando que o que ocorreu naquele dia em 1945 “não pode nem nunca deve acontecer novamente”.

“O futuro dos nossos filhos e dos filhos de nossos filhos depende disso”, ressaltou.

Segundo a chefe de desarmamento da ONU, o legado de Hiroshima é a resiliência. “A cidade que vemos hoje, essa metrópole movimentada, é um testemunho desse fato”, disse. “Vocês, povo de Hiroshima, não são apenas bravos sobreviventes da bomba atômica, mas corajosos ativistas pela paz e pela reconciliação”.

Nakamitsu agradeceu o povo de Hiroshima por lembrar o mundo, por décadas, “a ameaça que as armas nucleares representam para nossa segurança global, nacional e humana”.

Ela apontou para a adoção do Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares no ano passado como uma demonstração do apoio internacional para o fim permanente da ameaça nuclear, bem como a frustração com o ritmo lento de atingir essa meta.

“Os líderes mundiais devem retornar ao diálogo e à diplomacia, a um caminho comum rumo à total eliminação das armas nucleares e a um mundo mais seguro e seguro para todos”, afirmou.

O secretário-geral da ONU viaja nesta segunda-feira (6) para participar da 73ª Cerimônia de Paz de Nagasaki, na quinta-feira (9).

Ele também deve se encontrar com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, e com o ministro das Relações Exteriores do país, Taro Kono, para homenagear os hibakusha e entregar sua mensagem de que os líderes devem retornar ao diálogo e à diplomacia.

 

A catástrofe da bomba não

impediu a reconstrução e o

avanço da modernidade

 

Hiroshima e Nagasaki

Entre os dia 6 e 9 de agosto de 1945, no final da segunda Guerra Mundial as cidades Japonesas de Hiroshima e Nagasaki foram alvo de bombas nucleares dos EUA.

9684_6d0e_215px-Atomic_cloud_over_Hiroshima[1]

21c0_6a98_212px-Nagasakibomb1[1]

Sobre Hiroshima (foto acima) caiu a bomba “Little Boy” na segunda-feira (6), três dias após “Fat Man” caiu sobre Nagasaki (logo abaixo), destruindo totalmente as duas cidades e tudo o que estava em um raio de dois quilômetros e meio, devastando a vegetação e a estrutura da cidade. A radioatividade se espalhou provocando chuvas ácidas, causando a contaminação da região, incluindo lagos, rios, plantações. Os sobreviventes foram atendidos dias depois, o que ocasionou a morte lenta e agonizante de muitos. Até os dias de hoje os descendentes dos habitantes afetados sofrem os efeitos da radioatividade.

 

Estima-se que as mortes variam entre 140 mil em Hiroshima e 80 mil em Nagasaki, podendo aumentar consideravelmente quando contabilizadas as mortes posteriores devido à exposição à radiação.

 

a4ca_800px-Old_and_New-480x297

A Cúpula Genbaku, chamada hoje Memorial da Paz de Hiroshima, foi uma das únicas estruturas que restaram da cidade e uma das atrações mais visitadas no Japão, servindo de apelo à paz e um acervo cultural, tombada como Patrimônio Mundial pela Unesco apesar da oposição dos EUA e China.

e397_hiroshima-view_downtown-480x422

Hiroshima se transformou numa cidade moderna e desenvolvida, com árvores, prédios, pessoas circulando e carros, como em qualquer outra. Contudo, as lembranças continuam vivas dentro de cada um.

 

13d9_nagasaki-480x320

Hoje Nagasaki também está reconstruída, como uma cidade normal. A lembrança do ocorrido ficou na memória dos mais antigos que preferem não passar essa imagem chocante para os filhos e netos.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

oHbuoY