30/07/2018 (19:47)

Estoques pesqueiros estão entrando em colapso nos mares

Degradação da biodiversidade marinha pela poluição e mau uso dos recursos naturais dos mares, está levando os defensores do meio ambiente á conclusão de que "os estoques pesqueiros globais caminham rumo ao colapso". Isso foi lembrado (180730) em Florianópolis (sul do Brasil) durant6e o congresso brasileiro de unidades de conservação.

 

Entendem que os oceanos são a base para grande parte da economia mundial,

além de fonte de alimento e de regulação do clima. Mas a ideia de que os

recursos do mar "são inesgotáveis" conduz àz total destruição da capacidade

de produzir e se renovar. Nas próximas décadas, além do risco de extinção,

espécies populares como o atum e o badejo serão cada vez menos comuns na mesa do brasileiro.

 

Preocupada com a rápida degradação da biodiversidade marinha, a ONU Meio Ambiente se uniu ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e à Iniciativa Azul do Brasil para promover um diálogo de alto nível com especialistas nacionais e internacionais. É esse encontro que está acontecendo em Florianópolis, seguido pelo Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação (180731), que visa estimular a troca de experiências e boas práticas e levantar soluções para a conservação marinha e costeira.

“As áreas marinhas protegidas são uma das melhores ferramentas para garantir a saúde dos nossos oceanos e impedir a sobrepesca, a poluição e a acidificação. Elas trazem benefícios ecológicos, mas também grandes ganhos econômicos”, afirmou a representante da ONU Meio Ambiente, Denise Hamú.

 

No mundo, existem mais de 15.300 áreas marinhas protegidas, cobrindo o equivalente a 7,2%

a superfície total do oceano. A chamada Meta de Aichi 11, estabelecida pela Convenção

sobre Diversidade Biológica (CDB-ONU), recomenda a proteção de pelo menos 10%

das áreas marinhas e costeiras até 2020. O Brasil, com seus mais de 8,5 milhões

de quilômetros de litoral, tem um papel estratégico nesta governança global

dos oceanos e já superou a meta quantitativa no início de 2018.

 

Porém, em termos qualitativos, a eficiência das áreas protegidas está diretamente relacionada ao engajamento e empoderamento das populações tradicionais que vivem nessas áreas. “Parcerias com outras organizações, especialmente a Iniciativa Azul, que pretende dinamizar as parcerias para implementar ações, são fundamentais para a realização de atividades e estratégias voltadas ao fortalecimento e engajamento de comunidades tradicionais e à conservação da natureza”, explicou Hamú.

Além da representante da ONU Meio Ambiente, a oficina contará com a participação de Harry Reyes, responsável pelo sucesso na conservação do Parque Nacional de Galápagos (Equador); Felipe Paredes, do Ministério do Meio Ambiente do Chile; Cláudio Maretti, diretor de Ações Socioambientais e Consolidação Territorial em UCs do ICMBio; Lauren Weatherdon, do Programa de Áreas Protegidas da UNEP-WCMC; Tathiana Souza e Bruna de Vita, do ICMBio; Marcus Carneiro, do Instituto de Pesca de São Paulo; e Carlos Alberto dos Santos, da Comissão Nacional de Fortalecimento das Reservas Extrativistas Marinhas e Costeiras do Brasil.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

H3rNdT