10/07/2018 (20:07)

Esportes aeronáuticos têm novas exigências no Brasil

Se você é praticante de balonismo, paraquedismo, voo livre, voo em ultraleves motorizados, planadores e acrobacia aérea, deve prestar atenção às leis. Há um novo modelo regulatório para as práticas aerodesportivas no Brasil, aprovado pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), com base nas práticas internacionais para segurança da comunidade.

 

São os esportes aeronáuticos classificados em 2 modalidades operacionais: 

1) das atividades regidas pelo RBAC-103, um novo regulamento exclusivo para atividades desportivas. É caracterizado pelo baixo nível de integração ao sistema de aviação civil, submetidas a uma restrição operacional básica, que garante a segurança de terceiros e do sistema de aviação civil;

2) das atividades regidas operacionalmente pelo RBHA nº 91, as quais estão sujeitas às exigências da aviação geral (certificado de piloto, certificado de aeronavegabilidade, etc.) por possuírem maior interação com o sistema de aviação civil. 

Semelhante ao regulamento sobre drones, a Agência disponibiliza cadastro para aerodesportistas e equipamentos para fins de controle e fiscalização.  Todas os aerodesportistas RBAC-103 deverão se cadastrar no sistema, bem como equipamentos motorizados e balões tripulados.  

Novidade da nova regulamentação é a possibilidade da autorização de empresas de Serviços Aéreos Especializados (SAE) que poderão comercializar algumas atividades, como passeios de balões e planadores.  Neste caso, as empresas estarão sob o regime do RBHA-91 e demais regulamentos da aviação geral o que exige habilitação do piloto e certificação da aeronave para aprovação.

A fiscalização das atividades aerodesportivas será feita tanto pela ANAC

quanto pelas forças de segurança pública, seguindo o modelo de

fiscalização de drones. As forças de segurança pública poderão atuar

independentemente, mas contarão com apoio de treinamento e suporte da ANAC.

Operações desportivas com aeronaves sem certificado de aeronavegabilidade (RBAC-103) [ultraleves]

Requisitos:

  • Cadastro obrigatório dos praticantes
  • Atestado de capacidade técnica
  • Exclusivo para desportos e recreação
  • Peso vazio de no máximo 80kg se não-motorizado ou 200kg se motorizado;

Documentação:

  • Certidão de cadastro
  • Certidão de cadastro da aeronave e marcação do equipamento (se motorizado)

Instrutores

  • Seguro aeronáutico

Local de operações:

  • Só é permitido operar nos espaços de voo especificamente definidos pelo DECEA e em obediência às regras de tráfego aéreo.
  • Não é permitido o sobrevoo de áreas densamente povoadas, aglomeração de pessoas, áreas proibidas ou restritas.
  • Não é permitido decolar ou pousar em localidade não autorizada pelo proprietário ou detentor dos direitos.
  • Autorizações especiais de voo poderão ser concedidas desde que formalmente solicitada por clubes, agremiações ou associações de praticantes.

Fiscalização

  • Comunidade
  • Forças Policiais
  • Operações ANAC e DECEA

 

Operação dentro da aviação geral (RBAC-91):

Requisitos:

  • Aplica-se a essa categoria as atividades que envolve operação de aeronaves não incluídas na definição de veículos ultraleves do RBAC-103.
  • Obrigatoriedade de equipamento localizador.

Documentação Pilotos

  • Os pilotos operando sob as regras do RBAC-91/RBAC-105 devem ser habilitados e/ou qualificados de acordo com as normas do RBAC-61.
  • Para pilotar aeronaves aerodesportivas com peso máximo de até 750kg (exceto balões e planadores) o piloto deve possuir um CERTIFICADO DE PILOTO AERODESPORTIVO – CPA. Para operar aeronaves de PMD superior o piloto deve ter licença de piloto privado com habilitação compatível com a aeronave em questão.
  • Para pilotar um planador sob as regras do RBAC-91 exige-se a licença de piloto de planador – LPP, e para pilotar um balão sob as regras do RBAC-91 exige-se a licença de piloto de balão – LPB.
  • Já para executar as atividades acessórias de lançamento de paraquedistas e reboque de planador, deve-se ter qualificação própria endossada na CIV do piloto.

Documentação Aeronave

  • As aeronaves operadas segundo o RBAC-91 devem sempre portar seu certificado de aeronavegabilidade válido.
  • Registros de manutenção (RIAM) e certificado de matrícula.

Operação

  • As operações regidas pelo RBAC-91 apresentam restrições operacionais ligadas unicamente à natureza do certificado de aeronavegabilidade da aeronave.
  • A realização de shows aéreos, competições e eventos onde se espera a presença de público em geral exige autorização específica da autoridade de aviação civil.

Como novidade a regulamentação modifica a resolução 377/2016 e implementa as modalidades de Serviço Aéreo Especializado (SAE) voltadas para o aerodesporto sendo elas:

 

  • Voo de experimentação desportiva:
  • Lançamento de paraquedistas:
  • Reboque de planadores:

 

Formação de Pilotos

  • A formação dos pilotos aerodesportivos, ou seja, a obtenção do CPA/LPB/LPP se dá com a realização de instrução com instrutor habilitado ligado a uma associação credenciada ou a um centro de instrução de aviação civil aprovado e posterior realização de exames teórico e de proficiência, os quais também podem ser realizados junto aos CIAC ou associação credenciadas aprovadas para tal.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

1oVcRJ