12/06/2018 (19:11)

Trabalho infantil no mundo cresce além de 10% nos últimos 6 anos

Aumentou mais de 10% o trabalho de crianças em todo o mundo. Índice foi mostrado pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). Tem indicação de crueldade porque passou de 98 milhões em 2012 para 152 milhões de crianças em trabalho proibido em 2018. Problema é que essa prática agrava esforço para acabar com a fome.

 

Depois de anos de queda constante, o trabalho infantil na agricultura começou a aumentar novamente nos últimos anos, impulsionado em parte por um aumento dos conflitos e dos desastres provocados pelo clima. Os conflitos prolongados e os desastres naturais de tipo climático, seguidos pela migração forçada, obrigaram centenas de milhares de crianças a trabalhar.

Essa tendência preocupante não só ameaça o bem-estar de milhões de crianças, mas também prejudica os esforços para acabar com a fome e a pobreza no mundo, advertiu a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) no Dia Mundial contra o Trabalho Infantil (180612).

 

Os lares nos campos de refugiados sírios no Líbano, por exemplo, são propensos a recorrer ao trabalho infantil para garantir a sobrevivência da família. Crianças refugiadas realizam diversas tarefas: trabalham no processamento de alho, em estufas para a produção de tomates ou recolhem batatas, figos e feijões.

Desta forma são frequentemente expostos a múltiplas ameaças, incluindo pesticidas, condições inadequadas de saneamento no campo, altas temperaturas e fadiga no trabalho que requer grande esforço físico por longos períodos.

Ao mesmo tempo, os esforços para eliminar o trabalho infantil na agricultura enfrentam desafios persistentes, devido à pobreza rural e à concentração do trabalho infantil na economia informal e no trabalho familiar não remunerado.

Fome zero só é possível eliminando o trabalho infantil

A FAO afirma que o trabalho infantil na agricultura é um problema mundial

que prejudica as crianças, o setor agrícola e perpetua a pobreza rural.

Por exemplo, quando as crianças se veem obrigadas a trabalhar muitas horas, a disposição para ir à escola e desenvolver habilidades são limitadas, o que interfere em na capacidade de acessar oportunidades de empregos decentes e produtivos mais adiante na vida, incluindo em um setor agrícola modernizado.

“É provável que as crianças que trabalham muitas horas continuem engrossando as filas dos pobres e famintos. Como suas famílias dependem de seu trabalho, isso priva as crianças da oportunidade de ir à escola, o que por sua vez impede que elas obtenham empregos decentes e renda no futuro”, disse o diretor-geral adjunto da FAO, Daniel Gustafson.

“Dado que mais de 70% do trabalho infantil no nível mundial ocorre na agricultura, é vital integrar esse problema nas políticas agrícolas nacionais e abordá-lo no nível familiar. Caso contrário, se agravará ainda mais a pobreza e a fome nas zonas rurais. Necessitamos romper esse círculo vicioso se quisermos avançar para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). A fome zero não é possível sem trabalho infantil zero”.

Segundo a FAO, 3 em cada 4 crianças que

trabalham estão na agricultura. Desde 2012,

mais 10 milhões de crianças passaram

a trabalhar no setor agrícola.

Dos 152 milhões de crianças trabalhadoras, a maioria (108 milhões) está empregada em agricultura, pecuária, silvicultura ou aquicultura. Além disso, cerca de 70% do trabalho infantil é trabalho familiar não remunerado, enquanto a incidência do trabalho infantil nos países afetados por conflitos armados é 77% mais alta que a média mundial.

Cerca de metade de todo o trabalho infantil no mundo está na África: 72 milhões — em em cada cinco crianças africanas — trabalham, e a maioria no setor agrícola. Em seguida vem a Ásia, onde 62 milhões de crianças trabalham.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

J92Y1X