24/05/2018 (18:58)

Rodovias começam ser retomadas por ordem judicial. Exército executa.

Podem ser retomadas pela via judicial, com sentenças executadas pelo Exército, as rodovias do Brasil interditadas pela greve dos caminhoneiros. Isso já aconteceu em São Paulo e vai ocorrendo desde a Ponte Rio-Niterói até a divisa com o Espírito Santo. Em Curitiba, forças de segurança protegeram comboios para abastecer frota de ônibus na cidade.

 

Governo anunciou que a Advocacia-Geral da União (AGU) já obteve até agora 17 decisões

liminares que proíbem a obstrução de rodovias federais. Gracie Mendonça, ministra

da Advocacia-Geral da União (AGU), disse (180524) que 100 advogados públicos

estão atuando em todo País para garantir o trânsito livre nas estradas.

Sentenças liminares foram obtidas nos estados de Sergipe, São Paulo, Paraná, Pará,

Minas Gerais, Rio Grande do Norte, Goiás, Santa Catarina, Pernambuco, Paraíba, Rondônia,

Distrito Federal e Rio Grande do Sul durante as manifestações de greve de caminhoneiros.

Há estados com mais de uma estrada desbloquedada por liminares. 

 

Já foram ingressadas na justiça 30 liminares para assegurar que a paralisação nacional dos caminhoneiros seja considerada ilegal. Advocacia-Gedral da União ofereceu apoio ao Ministério da Segurança Pública para garantir o cumprimento das decisões judiciais.

 

As principais reivindicações dos caminhoneiros são: redução de impostos

sobre o preço do óleo diesel, como PIS/Cofins e ICMS, e o fim

da cobrança de pedágios dos caminhões que trafegam

vazios nas rodovias federais concedidas à iniciativa privada.

 

Movimento dos caminhoneiros é considerada correto pela população. Abusos vêm sendo cometidos por governantes aliados aos parlamentares (deputados e senadores), que lançam carga de impostos comprometedora de toda a cadeia da produção ao abastecimento. E com isso os preços vêm explodindo num processo de reajuste que já dura quase 1 ano. Por isso o apoio da comunidade, que deseja acabar com o sistema, por sinal empregado em outras áreas da vida brasileira. Um exemplo disso é a falta de atualização da tabela do impsoto sobre a renda.

A despeito dessa concordância, a economia como um todo está sofrendo o impacto da corrupção e deterioração dos cofres públicos, praticadas durante os últimos 15 anos em governos do PT. Programas oficiais tentam superar deficits e arranjar a vida nacional. Exemplos são a inflação reduzida, estímulos à produção para reativar empregos e restauração da Petrobras.

Devido ao impacto do desabastecimento em todos os setores, o projeto de recuperação da economia vai sofrendo revezes. O principal será a perda de confiança no que está sendo feito. Centrais de abastecimento já contabilizam prejuizos, os quais repicam sobre os produtores, transportadores e a vida em geral. Fabricantes de automóveis anunciaram paralização e as companhias de aviação, já reeditam vôos. Azul diz que cancelou 17 vôos e abriu remarcação sem qualquer custo, até o dia 31 de maio. É o que fazem as demais empresas aéreas que atuam no País.

Justiça e ordem está tuante, segundo dirigentes de PROCONs. Abusos cometidos pelos comerciantes de combustíveis, já ganham primeiros processos de autuação pelo País. Quem qusier poderá denunciar e tem garantia de ação imediata. Para facilitar esse trabalho, os ofendidos precisam ter em mãos a nota fiscal da compra ou abastecimento. Mas também sem a nota será possível agir.

 

180523 - 20:47 horas

Petrobrás reduz R$ 0,23 litro do Diesel. Greve de caminhoneiros continua.

Isenção de tributos que influem no preço de combustíveis. Esta é a meta dos caminhoneiros que há 3 dias param o Brasil e impedem o abastecimento em geral. Não consideram boas as promessas do Governo de "zerar" a contribuição sobre o domínio econômico (CIDE) que é cobrada nos combustíveis; nem mesmo a oferta anunciada pelo presidente da Petrobras.

Impostos sobre álcool, Diesel e gasolina rendem ao Governo mais de R$ 30 bilhões. E as promesas oficiais forçosamente terão de contar com a participação dos deputados e senadores, ávidos pela reeleição. Reajustes de combustíveis começaram há mais de 1 ano e acabam gerando desproporções que levaram ao momento difícil gerando históricas filas nos postos de combustíveis.

Nas centrais de abastecimento de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, as mercadorias de época passaram a faltar. Também o transporte público está sendo afetado.

Presidente da Petrobras, Pedro Parente, anunciou (180523) uma redução de 10% no valor do Diesel nas refinarias por 15 dias. A decisão, segundo, busca contribuir com uma possível trégua no movimento dos caminhoneiros. 

Na prática, a Petrobras avalia que a redução média será de R$ 0,23 nas refinarias, resultando numa queda média de R$ 0,25 nas bombas dos postos de combustível. A medida vale apenas para o Diesel. A expectativa é de que a paralisação seja suspensa e, no tempo em que vigorar a nova tarifa, Governo e caminhoneiros encontrem uma solução definitiva.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

oMChkn