16/03/2018 (23:31)

Lava Jato, 4 anos de esforço mas Judiciário tem passivo de 80 milhões

Agilidade nas decisões marcou 4 anos de atuação do Ministério Público, polícia e juízes federais do Brasil. Mas nem a expectativa da devolução pelos corruptos e corruptores de R$ 11,5 bilhões, consegue superar o passivo do Judiciário que não consegue decidir quase 80 milhões de processos ajuizados. Há mais de R$ 100 bilhões em precatórios a pagar.

 

Trabalho das equipes no Paraná é que tem maior expressão considerando-se que foram conquistadas 188 condenações de 123 reus, entre os quais o ex-presidente da República, Inácio Lula. Foram conseguidos 163 acordos de delação premiada e 11 de leniência. Devem resultar na devolução aos cofres e empresas públicos , R$ 11,5 bilhões. Até agora já fizeram retornar à Petrobras R$ 1,5 bilhão.

No Brasil são 36 processos que estão no STF (Supremo Tribunal Federal) para decisão. Envolvem 101 pessoas. Há ainda investigações em andamento, mas 12 governadores são processados (já há 3 denúncias recebidas). Delações premiadas são 134 submetidas à homiologação do Supremo. Daí devem resultar R$ 2,7 bilhões em devoluções.

Mas o passivo do Judiciário brasileiro é muito elevado e grave. Há os 80 bilhões de

processos que esperam solução e outros milhões que aguradam pagamentos de

precatórios (sentenças cujos recursos financeiros foram repassados aos estados e

municípios, que gastaram as verbas e querem muitos anos para devolver). As últimas

contas passavam de R$ 110 bilhões. Muitos desses cidadãos, trabalhadores,

idosos e empresas, esperam e acabam morrendo sem receber.

Políticos não têm coragem de mexer com a modificação do sistema de pagamento de precatórios, porque estão intimamente ligados aos governos estaduais e municipais. Por causa disso o descrédito é assumido pelo Judiciário. Dinheiro das sentenças da Justiça nunca deveria ser repassado a terceiros, mas diretamente aos vencedores de pleitos na Justiça.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

B3mwtc