16/03/2018 (19:08)

Porto de Paranaguá, de 91 mil para 51,5 milhões de toneladas em 83 anos

De 91 mil toneladas para 51,5 milhões de toneladas. São números que exibem o desenvolvimento do Porto de Paranaguá ao longo dos últimos 83 anos que são comemorados em 17 de março de 2018. Com um movimento que se multiplicou mais de 500 vezes, tornou-se endereço de referência internacional especialmente quando se fala em exportação de grãos.

 

Quando foi aberto em 1935, o Porto recebia 437 navios que transportaram 91 mil toneladas.

Eram considerados pequenos comparados com as embarcações modernas. E os produtos

embarcados foram erva-mate, madeira, açúcar, café, e manufaturados importados. Atualmente,

a quantidade de navios que passa todo ano, é pelo menos três vezes maior e o volume de cargas

movimentadas já aumentou 500 vezes, ultrapassando a marca de 51,5 milhões de toneladas em 2017.

Luiz Henrique Dividino,  diretor-presidente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA), o segredo do sucesso do Porto de Paranaguá está na modernização da infraestrutura e na atualização dos serviços. “Com o passar dos anos, a natureza dos produtos transportados foi mudando, bem como a forma de movimentar as mercadorias. Isso exigiu muitas melhorias na estrutura e acompanhamento das mudanças de mercado”.

A erva-mate e o café, produtos importantes para a economia do País na época da inauguração, hoje já não passam pelo Porto. Apesar de continuar a principal opção no Brasil para o escoamento da produção agrícola, o porto paranaense tem agora como carro-chefe a soja, responsável por mais de 22% de todo o volume movimentado.

Além disso, o porto abriu as portas para a diversificação de produtos e, ano após ano, tem sido referência na movimentação de diferentes tipos de carga. Em 2017, por exemplo, as mercadorias de carga geral (máquinas, peças industriais e produtos de alto valor agregado) somaram 9,5 milhões de toneladas movimentadas. Além disso, passaram pelo porto 8,8 milhões de toneladas de fertilizantes e 4,7 milhões de toneladas de derivados de petróleo. O açúcar representou 4,8 milhões de toneladas exportadas; os farelos, 4,5 milhões; e o milho, 3,5 milhões de toneladas.

Investimentos de R$ 627 milhões

Para suprir toda a demanda e atrair importadores e exportadores, com qualidade e agilidade de serviço, nos últimos anos o Porto recebeu investimentos que ampliaram as áreas de movimentação e capacidade operacional. “De 2011 a 2017, foram mais de R$ 657 milhões em investimentos públicos. Somente neste período, a movimentação de cargas de Paranaguá teve um aumento de 25%”.

Entre as principais obras que tornaram possíveis estas marcas estão as campanhas continuadas de dragagem – que aumentaram a profundidade para a navegação segura de grandes navios –; reforma e aprofundamento do cais; instalação de novos shiploaders (carregadores de navios); construção de novos portões com novas balanças; automação dos equipamentos de controle de acesso; construção de novos tombadores; novos pátios de caminhões; entre outras.

Cuidado ambiental

Lado a lado com o crescimento das operações de importação e exportação, a preocupação com o meio ambiente tem feito o Porto de Paranaguá ser exemplo nacional de desenvolvimento sustentável. Atualmente, o Porto é o primeiro do Brasil no Índice de Desempenho Ambiental, medido pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ).

“Essa é uma preocupação constante da APPA. Já estão programados novos projetos na área socioambiental. Com isso, chegamos a 57 ações simultâneas, que visam preservar e promover a natureza e as condições de vida no entorno da região portuária”. Assim falou Bruno da Silveira Guimarães, diretor de Meio Ambiente da Appa.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

qUyjTA