15/03/2018 (12:22)

Taxas de desemprego ficarão altas durante o ano de 2018, diz OIT

Apesar da taxa de desemprego global estar se estabilizando, o desemprego e os déficits de trabalho decente permanecerão em níveis altos em muitas partes do mundo. É o que diz novo relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Desemprego será semelhante ao de 2017, que finalizou com taxa de 5,6%, com total de 192 milhões sem emprego.

 

À medida que as perspectivas econômicas globais de longo prazo permanecem modestas, apesar do crescimento mais forte do que o esperado em 2017, o relatório “Perspectivas Sociais e de Emprego no Mundo: Tendências 2018“, atribui a tendência positiva entre 2016 e 2017 principalmente ao forte desempenho dos mercados de trabalho de países desenvolvidos. Ali projeta-se que a taxa de desemprego cairá em 0,2%  adicional em 2018, atingindo 5,5%, taxa abaixo dos níveis anteriores à crise.

Em contrapartida, apesar do crescimento do emprego ter melhorado em comparação com 2016, espera-se que  seja inferior ao crescimento da força de trabalho nos países emergentes e em desenvolvimento.

“Embora o desemprego global tenha se estabilizado, os déficits de trabalho decente continuam generalizados e a economia global ainda não está criando empregos suficientes. Esforços adicionais devem ser implementados para melhorar a qualidade dos empregos para os trabalhadores e assegurar que os ganhos de crescimento sejam compartilhados de forma equitativa”, afirmou o Diretor-Geral da OIT, Guy Ryder.

Emprego vulnerável aumenta e

ritmo de redução da pobreza

entre trabalhadores desacelera

O relatório destaca o fato de que o progresso significativo alcançado no passado na redução do emprego vulnerável, está paralisado desde 2012. Estima-se que cerca de 1,4 bilhão de trabalhadores estavam em empregos vulneráveis em 2017 e que outros 35 milhões deverão se somar até 2019. Nos países em desenvolvimento, o emprego vulnerável afeta 3 em cada 4 trabalhadores.

Um ponto positivo observado pelo relatório é que a quantidade de trabalhadores vivendo abaixo da linha da pobreza continua a cair em países emergentes. Nesses países o número de trabalhadores vivendo em extrema pobreza, deverá chegar a 176 milhões em 2018, ou 7,2% de todas as pessoas empregadas.

“Nos países em desenvolvimento é lenta a redução do número de trabalhadores vivendo abaixo da linha da pobreza, para acompanhar a expansão da força de trabalho. É possível que o número de trabalhadores que vivem em extrema pobreza permaneça acima de 114 milhões nos próximos anos. Isso deve afetar 40% de todas as pessoas empregadas em 2018”. Assim explica o economista da OIT, Stefan Kühn, principal autor do relatório.

Autores também destacam o fato de que as taxas de participação das mulheres no mercado de trabalho permanecem bem abaixo das taxas masculinas. As mulheres também são mais propensas a ter empregos de qualidade inferior e salários mais baixos.

Mudanças estruturais e

envelhecimento aumentarão as

pressões sobre o mercado de trabalho

Considerando as mudanças na composição setorial do emprego, o relatório observa que os empregos no setor de serviços serão o principal motor do crescimento do emprego no futuro, enquanto os empregos nos setores agrícola e industrial continuarão a diminuir. Uma vez que o emprego vulnerável e informal é predominante na agricultura e nos serviços de mercado, as mudanças nos empregos projetadas em todos os setores podem ter um potencial limitado para reduzir os déficits de trabalho decente, se não forem acompanhadas de fortes esforços políticos para aumentar a qualidade dos empregos e a produtividade no setor de serviços.

O relatório também analisa a influência do envelhecimento da população e conclui que o crescimento da força de trabalho global não será suficiente para compensar a rápida expansão do grupo de aposentados. Segundo projeções do relatório, a média de idade dos trabalhadores irá aumentar de pouco menos de 40 anos em 2017 para mais de 41 em 2030.

“Além do desafio que um número crescente de aposentados cria para os sistemas de pensão, uma força de trabalho cada vez mais velha também deve ter um impacto direto nos mercados de trabalho. O envelhecimento pode reduzir a produtividade e diminuir os ajustes do mercado de trabalho após choques econômicos”, avisa o Diretor Interino do Departamento de Pesquisa da OIT, Sangheon Lee.

Principais conclusões regionais

América Latina e Caribe:


• A previsão é de que a taxa de desemprego diminua apenas marginalmente, passando de 8,2% em 2017 para 7,7% até 2019.
• Considerando que a taxa de desemprego regional chegou a 6,1% em 2014, a região ainda está longe de se recuperar completamente das perdas de emprego dos últimos anos.

Norte da África:


• A taxa de desemprego deve diminuir de 11,7% em 2017 para 11,5% em 2018.
• O número de desempregados permanece estável em 8,7 milhões, em meio ao forte crescimento da força de trabalho.
• A região apresenta a maior taxa de desemprego no mundo, impulsionada por grandes lacunas nos grupos de jovens e mulheres, que estão significativamente sobre-representados entre os desempregados.

África Subsaariana:


• A taxa de desemprego deve atingir 7,2%, permanecendo essencialmente inalterada.
• O número de desempregados deve aumentar em um milhão devido aos altos níveis de crescimento da força de trabalho da região.
• Mais de um em cada três trabalhadores vive em condições de extrema pobreza, enquanto quase três em cada quatro trabalhadores estão em empregos vulneráveis.

América do Norte:


• O desemprego provavelmente diminuirá de 4,7% em 2017 para 4,5% em 2018, impulsionado por uma queda nas taxas de desemprego no Canadá e nos Estados Unidos.

Estados Árabes:


• As condições do mercado de trabalho devem permanecer relativamente estáveis, com a queda da taxa de desemprego regional projetada para diminuir ligeiramente para 8,3% em 2018 e voltar a aumentar em 2019.
• Como resultado, quase 5 milhões de pessoas estarão desempregadas em 2018, com as mulheres representando quase um terço desse grupo, apesar de representarem apenas 16% da força de trabalho regional.

Ásia e Pacífico:


• O desemprego deve permanecer baixo pelos padrões internacionais e bastante estável em 4,2% durante todo o período de projeção, devido principalmente ao fato de que a região deve continuar a criar empregos rapidamente.
• O número de pessoas empregadas deve aumentar em cerca de 23 milhões entre 2017 e 2019.
• O emprego vulnerável afeta quase metade de todos os trabalhadores na região, ou seja, mais de 900 milhões de pessoas.

Norte, Sul e Oeste da Europa:


• Graças a uma atividade econômica melhor do que o esperado, prevê-se que a taxa de desemprego tenha diminuído de 9,2% em 2016 para 8,5% em 2017, a menor desde 2008.
• As maiores reduções nas taxas de desemprego, da ordem de dois pontos percentuais, provavelmente serão observadas na Espanha e na Grécia, onde as taxas devem ser de 15,4% e 19,5% em 2018, respectivamente.
• A taxa de desemprego também deve continuar a cair em 2018 na Itália, Irlanda e Portugal, mas a um ritmo mais lento do que no período entre 2015 e 2018.
• O desemprego deve permanecer estável na França e no Reino Unido, embora no segundo seja esperado um leve crescimento em 2019.

Leste da Europa:


• À medida que o crescimento econômico é retomado, a taxa de desemprego deverá diminuir modestamente, de 5,5% em 2017 para 5,3% em 2018.
• Isso reflete a queda das taxas de desemprego em países como Polônia, Ucrânia e Eslováquia, parcialmente compensada pela expectativa de aumento do desemprego na República Tcheca.

Ásia Central e Ocidental:


• A recuperação relativamente forte do crescimento econômico traduz-se apenas parcialmente na queda da taxa de desemprego regional, que deve permanecer em torno de 8,6% ao longo de 2018 e 2019.
• O emprego vulnerável permanece elevado, afetando mais de 30% dos trabalhadores em 2017, mas estima-se que ele diminuirá ligeiramente em 2018 e 2019 (0,6 ponto percentual).

Metodologia e dados aprimorados

As estimativas globais de desemprego e de trabalhadores vivendo abaixo da linha da pobreza foram revisadas nesta edição do relatório, após melhorias em metodologias de dados e estimativas. Apesar disso, os números ainda são comparáveis e as tendências consistentes, uma vez que a metodologia melhorada é aplicada a anos anteriores.

“A metodologia melhorada faz parte do contínuo esforço da OIT para tornar os indicadores mais precisos e comparáveis entre países e regiões”, diz o chefe da Unidade de Produção e Análise de Dados da OIT, Steven Kapsos.

Embora o número de pessoas desempregadas tenha sido revisado para baixo em comparação com os dados apresentados na edição do relatório de 2017, a revisão reflete apenas o uso de dados e estimativas melhorados. “Os novos números não refletem uma perspectiva do mercado de trabalho global melhor do que o esperado nem significam que os números de desemprego tenham despencado”, explica o economista da OIT Stefan Kühn.

Acesse o relatório da OIT na íntegra clicando aqui.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

KyjmRu