27/01/2018 (14:03)

Vacina integral a quem viaja para o país que exige imunização

Quem viaja para o exterior a países que exigem a imunização contra doenças, precisa se vacinar com dose integral contra a febre amarela. Orientação é da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), que emite certificação internacional de vacinação ou profilaxia. Documentos simples não valem, mas apenas esse que é oficial e aceito no exterior.

 

A Agência é a autoridade responsável pela emissão desse documento.

Não há alternativas, mas os interessados podem obter a certificação

em postos autorizados e nos próprios aeroportos. Registro é emitido

para quem se vacina a primeira vez e quem já tem comprovante

de ter recebido a dose integral em épocas anteriores.

Quem ainda tem dúvida, poderá acessar www.anvisa.gov.br onde vai encontrar mais orientações.

 

Rio de Janeiro intensifica

No Rio de Janeiro foi intensificada a vacinação para prevenir casos de febre amarela em 16 municípios.

Mas o secretário de saúde Luiz Antônio Teixeira Junior que esteve mbém algumas pessoas, fez uma observação especial em defesa dos macacos. E falou assim:

Após fazer referências a agressões e mortes de macacos por espancamento, alertou a população sobre a importância desses animais na detecção da febre amarela . “O macaco é um sentinela. É muito importante a gente acompanhar as mortes dos macacos, mas não a população matando os macacos, envenenado. Ele é um sinal para a saúde pública do estado. Então gostaria de pedir, fazer um apelo à população para que não mate os macacos porque eles não são os transmissores da doença”.

 

Organização Mundial diz quem pode tomar vacina da febre amarela

Viajantes com contraindicações para a vacina de febre amarela — crianças com menos de nove meses de idade, mulheres grávidas ou amamentando, pessoas com hipersensibilidade grave à proteína do ovo e imunodeficiência grave — ou com mais de 60 anos, devem consultar o profissional de saúde para a avaliação cuidadosa de risco-benefício.

Considerando o avanço da febre amarela no estado de São Paulo, a Organização Mundial da Saúde (OMS) passou a recomendar  vacinação contra a doença para todos os viajantes internacionais que visitem qualquer área da unidade federativa. Especialistas incluiram o litoral e toda a região metropolitana de São Paulo.

A determinação de novas áreas consideradas de risco de transmissão de febre amarela e com recomendação de vacina é um processo contínuo e atualizado regularmente pela OMS. A última mudança, no caso do Brasil, ocorreu em abril de 2017. Nesta fase de emergência estão recomendadas vacinações para 54 localidades paulistas, 15 do Rio de Janeiro e 8 da Bahia.

Atualmente, a vacina para viajantes internacionais é recomendada também

para os estados das regiões Centro-Oeste e Norte do Brasil, bem como para

Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Maranhão, além de partes dos

estados da região Sul, Bahia e Piauí. A vacinação

deve ser feita ao menos dez dias antes da viagem.

A OMS e a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), avaliam que a medida mais importante para prevenir a febre amarela é a imunização. Quem vive ou se desloca para as áreas de risco deve estar com as vacinas em dia e se proteger de picadas de mosquitos.

Apenas uma dose da vacina é suficiente para garantir imunidade e proteção ao longo da vida. Efeitos secundários graves são extremamente raros.

Os viajantes com contraindicações para a vacina de febre amarela — crianças com menos de nove meses de idade, mulheres grávidas ou amamentando, pessoas com hipersensibilidade grave à proteína do ovo e imunodeficiência grave — ou com mais de 60 anos devem consultar seu profissional de saúde para a avaliação cuidadosa de risco-benefício.

A OMS recomenda também procurar assistência à saúde em caso de sintomas e sinais de febre amarela, durante a viagem e após o retorno de áreas com risco de transmissão da doença.



Principais fatos sobre febre amarela:

  • A febre amarela é uma doença hemorrágica viral transmitida por mosquitos infectados. O termo “amarela” se refere à icterícia apresentada por alguns pacientes.
  • Febre, dor de cabeça, icterícia, dores musculares, náusea, vômitos e fadiga são sintomas de febre amarela.
  • Uma pequena proporção de pacientes que contraem o vírus desenvolve sintomas graves e aproximadamente metade desses morre de sete a dez dias.
  • O vírus é endêmico em áreas tropicais da África, América Central e América do Sul.
  • Grandes epidemias de febre amarela ocorrem quando pessoas infectadas introduzem o vírus em áreas densamente povoadas com alta concentração de mosquitos e onde a maioria dos indivíduos tem pouca ou nenhuma imunidade devido à falta de vacinação. Nessas condições, mosquitos infectados transmitem o vírus de pessoa para pessoa.
  • A febre amarela é prevenida por uma vacina extremamente eficaz, segura e acessível. Uma dose da vacina é suficiente para garantir imunidade e proteção ao longo da vida toda, não sendo necessária nenhuma dose de reforço. A vacina confere imunidade eficaz dentro de 30 dias para 99% das pessoas imunizadas.

Doses fracionadas

O Ministério da Saúde do Brasil anunciou na semana passada que vai adotar, entre fevereiro e março deste ano, o fracionamento de doses da vacina contra a febre amarela em três estados: Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo.

Essa medida é recomendada pela OPAS e pela OMS como uma das estratégias de imunização que podem ser usadas em resposta a necessidades eventuais de campanhas de larga escala – uma vez que um surto ameace a capacidade de abastecimento, por exemplo, se espalhando para áreas altamente povoadas.

O fracionamento não tem a intenção de servir como estratégia de longo prazo nem de substituir as rotinas estabelecidas nas práticas de imunização.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

Qw6uIc