30/12/2017 (22:25)

Câncer de pele, veja como reconhecer e se proteger

Protetor solar com fator (FPS) mínimo 30, óculos escuros supervisionados por médico oftalmologista, chapéu de aba larga com especificações contra os raios UV (ultra violeta) e bonés sob recomendação do dermatologista. São componentes necessários para quem vai se expor ao sol do verão à beira mar ou em qualquer lugar; e, desta forma evitar o câncer.

 

Segundo as autoridades de saúde do Brasil, há risco de que 176 mil sejam vitimadas

por câncer de pele. Para evitar que a doença se multiplique, há uma

campanha permanente nas ruas do País, tentando educar e conscientizar sobre os

riscos da excessiva exposição ao sol, sem a devida proteção.

 

Acreditam os dermatologistas que se as pessoas adotarem atitudes, que sejam mais do que simplesmente passar loção preventiva no corpo, estarão evitando o câncer. Sugerem que se façam exames rpeventivos que possam detectar o mal antes que se instale. Chegando cedo aos sintomas, será mais fácil curar. Trabalhadores da construção, carteiros, lavradores e outros que atuam ao ar livre, estão sob perigo potencial de contrar lesões.

Orientam os especialistas que os melhores horários de frequentar a praia são da manhã até as 10 e depois das 16 horas. Além das sugestões relacionadas, há outras que ajudam. Por exemplo, roupas leves, de preferência algodão, as que não contenham derivados de petróleo; e, ingestão de água com fartura. Isso serve para hidratar o corpo.

 

Câncer mais comuns são o carcinoma basocelular e o carcinoma espinocelular (câncer não melanoma). Como todas as feridas desse gênero, aparecem devido ao crescimento anormal das células da pele. Para o sucesso de cura, ambos devem ser diagnosticados e tratados na fase inicial.

Melanoma é o tipo de cãncer mais dolorido, agressivo e que leva à morte. Contudo não é o de maior incidência entre os brasileiros, mas se descoberto no início, o tratamento tem revelado 90% de êxito.

 

Como reconhecer ou suspeitar de um câncer de pele.

Todos os cânceres são resultantes de exposição excessiva ao sol.

Para que as pessoas possam reconhecer a doença ou desconfiar,

os médicos explicam que podem se manifestar através de uma

pinta ou mancha, de cor escura ou castanha. Manifestam-se

como uma pápula ou nódulo avermelhado, cor da pele é

perolada (brilhosa); ou como uma ferida que não cicatriza. 

Observe isso e coloque suspeita de que se trata de uma

lesão maligna. Exige que um dermatologista seja procurado. 

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

rc1IjY