21/11/2017 (21:11)

Holocausto, exposição permanente no Memorial da Imigração Judaica em SP

Para que brasileiros conheçam bem a crueldade praticada pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial, o Memorial da Imigração Judaica, em São Paulo, está realizando uma exposição. Amostra será permanente e ficará aberta permanentemente, com entrada gratuita. Há no museu, peças usadas pelas vítimas e até espaço sensorial.

 

Réplica em tamanho natural de um barracão de prisioneiros judeus, objetos e peças de vestuários, posters da propaganda nazista. Logo na entrada, a famosa frase do portão do campo de Auschwitz Arbeit Macht Frei (O trabalho liberta), seguida pela foto de Anne Frank, a garota alemã cujo diário se transformou em uma das mais conhecidas obras do período do Holocausto. Uma exposição inaugurada hoje (9) em São Paulo vai levar o visitante de volta ao passado para um período importante, embora trágico, da história mundial.

 

Considerado um dos episódios mais cruéis da humanidade, o Holocausto vitimou

durante a Segunda Guerra Mundial mais de 6 milhões de judeus, entre eles 1,5

milhão de crianças, mas ainda é pouco conhecido entre os brasileiros, especialmente

os mais jovens. Para preencher essa lacuna, o Memorial da Imigração

Judaica inaugurou a exposição permanente sobre o tema e passa a

se chamar, a partir de hoje, Memorial da Imigração Judaica e do Holocausto.

 

“Essa preservação da memória é fundamental e é feita no mundo inteiro, há museus do holocausto nas maiores capitais do mundo, então uma capital como São Paulo não podia deixar de ter seu Memorial do Holocausto”, diz o professor de história judaica Reuven Faingold, diretor de projetos educacionais do Memorial.

Desde sua concepção até sua inauguração, a mostra consumiu seis meses de preparação, com um eixo central: além de ser uma exibição de objetos, fotos ou vídeos históricos, é um local que produz um efeito sensorial no visitante. “Tentamos fazer um museu vivo, no sentido de que o visitante sinta na pele um pouquinho do que aqueles prisioneiros sentiram”, diz Faingold.

“O visitante vai encontrar uma vitrine subterrânea com o prisioneiro e sua ração de comida, que era um pouco de batata; ele vai ver a construção de um comércio judaico em Berlim e efeitos sonoros como a quebra dos vidros dessas lojas durante a Noite dos Cristais, no dia 9 novembro de 1938. Vai ver reproduções de obras de arte que foram confiscadas de lares judaicos. Há ainda o famoso pijama listrado, tanto de adulto quanto de criança, usados pelos presos. O ponto mais alto é a barraca de prisioneiros, onde as pessoas poderão sentir o cheiro da palha que fazia às vezes de colchão, e a própria tigela que era o travesseiro do prisioneiro”, diz o diretor.

A exposição do Memorial também proporciona contato com objetos autênticos

pertencentes às vítimas do Holocausto e doados pelos familiares que hoje

residem no Brasil. Outra seção comovente é a que exibe desenhos feitos por

crianças prisioneiras dos campos de concentração,

que retratam cenas observadas durante a terrível estadia naqueles locais.

A exposição ainda exibe vídeos em uma sala especial que narram episódios da época, como a Noite dos Cristais, quando nazistas lançaram uma onda de ataques a judeus em várias regiões da Alemanha e da Áustria em 1938, ou filmes de propaganda feitos para exaltar o governo nazista de Adolf Hitler.

Radicado no Brasil há 27 anos, Faingold, de 60 anos, é descendente de judeus. Seu avô materno se refugiou na Argentina, onde ele nasceu. Para o professor, a preservação dos objetos é essencial para a história. “No futuro não haverá mais sobreviventes, porque esses que chegaram [no Brasil] já são pessoas com mais de 80 anos. O que vai sobrar são justamente os museus e os memoriais que temos”, observou.

Holocausto, nunca mais

Faingold falou também sobre a importância de divulgar a exposição entre alunos e ensinar algumas definições pouco conhecidas pelos jovens brasileiros.

“É preciso falar o que é um genocídio, dar exemplos, e contar o que foi o Holocausto: foi apenas um em toda a história da humanidade, pela brutalidade, pelas etapas e a abrangência do fenômeno, pelo uso e abuso de tecnologias na indústria da morte, por todos esses motivos o Holocausto é diferente de outro tipo de genocídio”, explica. "Nós vamos tratar, dentro do possível, para que escolas estaduais com menos recursos possam vir aqui e visitar nosso memorial”, disse ele

Localizado na primeira sinagoga do Estado de São Paulo, o Memorial da Imigração Judaica e do Holocausto foi fundada em 1912 e guarda um amplo e valioso acervo documental para valorizar a contribuição dos judeus ao desenvolvimento do Brasil.

Serviço

Memorial da Imigração Judaica e do Holocausto
Rua da Graça, 160, Bom Retiro, São Paulo (Estação Luz)
Domingo: apenas para grupos com agendamento
Segunda à quinta: 9h - 17h
Sexta: 9h - 15h
Entrada gratuita

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

VA52h6