02/09/2018 (08:47)

Obesidade, retrato de uma crise mundial em saúde. Alerta da OMS

"Uma crise mundial de saúde". É assim que define a OMS (Organização Mundial da Saúde) o índice alarmante de pessoas com excesso de peso. Junto com o Imperial College London, realizou estudo. Concluiram que número de jovens obesos, com idade de 5 a 19 anos, aumentou mais de 10 vezes desde 1976. Passou de 11 milhões em 1975 para 124 milhões em 2016.

 

Dados foram estimados a partir das medidas de peso e altura de

cerca de 130 milhões de pessoas com mais de cinco anos de

idade — 31,5 milhões de indivíduos entre os cinco e os 19 anos e

97,4 milhões com mais de 20 anos. Esse é o maior contingente de

participantes envolvidos em um estudo epidemiológico.

Se as tendências atuais se mantiverem, haverá mais crianças e adolescentes com obesidade do que com desnutrição até 2022. Em 2016, havia 50 milhões de meninas e 74 milhões de meninos com obesidade no mundo, enquanto o número global de meninas e meninos com desnutrição moderada e grave era de 75 milhões e 117 milhões, respectivamente.

Mais de mil colaboradores contribuíram para a elaboração do levantamento, que avaliou o índice de massa corporal (IMC) para investigar como a obesidade mudou ao longo dos últimos 40 anos.

As taxas de obesidade em crianças e adolescentes passaram de menos de 1% em 1975 — o equivalente a 5 milhões de meninas e 6 milhões de meninos — para quase 6% entre as jovens e quase 8% entre os rapazes, em 2016. Além dos 124 milhões de jovens de cinco a 19 anos com obesidade, outros 213 milhões estavam com sobrepeso, segundo cálculos referentes ao ano passado.

Para Fiona Bull, coordenadora do programa de vigilância e prevenção de doenças crônicas não transmissíveis da OMS, os resultados do estudo “destacam, relembram e reforçam que o sobrepeso e a obesidade são atualmente uma crise mundial de saúde e, ao menos que comecemos a tomar medidas drásticas, deve piorar nos próximos anos”.

Alimentos saudáveis

O principal responsável pela pesquisa e professor da Escola de Saúde Pública da Imperial College, Majid Ezzati, aponta que o avanço da obesidade afeta todos os países, independentemente de seu estado de desenvolvimento.

“Nas últimas quatro décadas, as taxas de obesidade em crianças e adolescentes aumentaram em todo o mundo e continuam a crescer em países de baixa e média renda. Mais recentemente, se estenderam aos países de maior renda, embora os níveis de obesidade permaneçam inaceitavelmente altos”, explica.

Para o especialista, políticas públicos devem favorecer o consumo de alimentos saudáveis, garantindo preços acessíveis. “Essas tendências preocupantes refletem o impacto do marketing e das políticas de alimentos em todo o mundo, com alimentos nutritivos e saudáveis caros demais para famílias e comunidades pobres”, criticou o docente.

Segundo o pesquisador, as crianças do futuro terão mais chances de crescerem obesas e de terem doenças como o diabetes. “Precisamos de maneiras para tornar o alimento saudável e nutritivo mais disponível em casa e na escola, especialmente entre famílias e comunidades pobres, além de regulamentos e impostos para proteger as crianças de alimentos pouco saudáveis”, acrescentou Ezzati.

De acordo com a OMS, o cenário é sintomático de que a má nutrição — em todas as suas formas, seja a subnutrição, seja a obesidade — continua sendo um desafio para todos os países.

Na avaliação do organismo das Nações Unidas, crianças e adolescentes passaram rapidamente de uma maioria com desnutrição para uma maioria com sobrepeso em muitos países de média renda, incluindo no Leste Asiático, América Latina e Caribe.

Os autores da publicação ressaltam que isso pode ser reflexo de um crescimento no consumo de alimentos mais calóricos, especialmente carboidratos altamente processados, que levam ao aumento de peso e a baixos resultados de saúde ao longo da vida.

Sugestões para prevenção

Junto com o estudo, a OMS lançou o plano de implementação da iniciativa Ending Childhood Obesity (Acabando com a Obesidade Infantil, em tradução livre para o português). Documento apresenta recomendações para países e parceiros. Entre as orientações da OMS, estão:

 

  • A implementação de programas integrais que promovam a ingestão de alimentos saudáveis e reduzam o consumo de alimentos não saudáveis e bebidas açucaradas entre crianças e adolescentes;
  • A implementação de programas integrais que promovam atividades físicas e reduzam comportamentos sedentários entre crianças e adolescentes;
  • A integração e fortalecimento das orientações para a prevenção de doenças crônicas não transmissíveis, com orientações atualizadas para o momento pré-concepção e cuidados pré-natais para reduzir o risco de obesidade na infância;
  • A difusão de orientações e prestação de assistência para promover dietas saudáveis, sono e atividades físicas durante a primeira infância, a fim de assegurar que as crianças cresçam apropriadamente e desenvolvam hábitos saudáveis;
  • A implementação de programas integrais que promovam ambientes escolares saudáveis, aulas sobre saúde e nutrição e atividades físicas entre crianças e adolescentes na idade escolar;
  • O oferecimento de serviços familiares na gestão de peso e estilo de vida para crianças e jovens que são obesos.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

mk1CQM