17/10/2017 (19:46)

Catástrofes naturais colocam 24 milhões na miséria todo ano

Resultantes da agressão desenfreada causada pelo homem com a destruição de recursos naturais e poluição, as catástrofes naturais estão empobrecendo o mundo. Todos os anos são 24 milhões colocados na miséria pela destruição de tudo o que construíram antes e a economia mundial já sofre os impactos. Números de pesquisa impressionam em 204 países.

 

Catástrofes naturais fazem com que, anualmente, 24 milhões de indivíduos sejam

levadas à miséria, alertou na semana passada o secretário-geral da ONU, António

Guterres.  “Pobreza, urbanização acelerada, governança frágil, a deterioração dos

ecossistemas e as mudanças climáticas estão acentuando o risco de desastres”,

afirmou o chefe das Nações Unidas.Dirigente pediu mais compromisso com marcos globais

para combater a ameaça dos desastres. Segundo novo relatório do

Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres (UNISDR),

fenômenos extremos deslocam cerca de 14 milhões de pessoas por ano.

 

Produzida a partir de dados de 204 países, a pesquisa do UNISDR alerta que, dos 10 países mais suscetíveis à destruição e à consequente migração associada aos fenômenos extremos, 8 são do Sul e Sudeste da Ásia.

“À exceção das mortes e dos graves ferimentos (verificados) em situação de desastre, não há golpe mais esmagador do que a perda do lar, que é frequentemente o local de trabalho em muitos dos países mais afetados”, explicou o representante especial do secretário-geral da ONU para o tema, Robert Glasser. O relatório da agência da ONU foi divulgado por ocasião do Dia Internacional para a Redução de Desastre, lembrado em 13 de outubro.

Na Índia, 2,3 milhões de pessoas estão sob a ameaça de, no futuro, ter de se deslocar por causa da devastação provocada por catástrofes naturais. Na China, o número estimado pela agência da ONU é de 1,3 milhão. O gigante oriental é seguido por Bangladesh (1,2 milhão), Vietnã (1 milhão), Filipinas (720 mil), Mianmar (570 mil), Paquistão (460 mil), Indonésia (380 mil), Rússia (250 mil) e Estados Unidas (230 mil).

O modelo estatístico utilizado pelo organismo da ONU tem por objetivo fornecer dados para cálculos de migrações a longo prazo. Não foram incluídos números relativos a deslocamentos causados por desastres “lentos”, como secas ou enchentes provocadas pela elevação do nível dos oceanos.

Reduzir o sofrimento humano

O dirigente máximo do organismo internacional avaliou que, com sistemas eficientes de alerta precoce e evacuação, países já conseguem evitar índices massivos de mortes em desastres.

“Agora, temos que focar em reduzir o sofrimento humano e o número de pessoas afetadas”, defendeu Guterres. “Medidas práticas incluem a realocação de pessoas vivendo em zonas de perigo; a implementação de códigos de construção (civil) sólidos; e a preservação de ecossistemas protetores. Reduzir as emissões de gases do efeito estufa é fundamental. A mudança climática está agravando a frequência e a intensidade elevadas de eventos climáticos extremos.”

O secretário-geral cobrou compromissos mais ambiciosos para alcançar as metas do Acordo de Paris e lembrou de outro marco global estabelecido para auxiliar países a prevenir catástrofes — o Marco Sendai para a Redução de Risco de Desastre. Adotado há dois anos pelos Estados-membros da ONU, esse documento “é essencial para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)”, afirmou Guterres.

Todo ano morrem 4,2 milhões

Achim Steiner, administrador do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), lembrou que regiões da Ásia já são afetadas atualmente por desastres naturais.

 

“Recorde de inundações em Bangladesh, Índia e Nepal tornaram a vida

miserável para cerca de 40 milhões de pessoas. Mais de 1,2 mil pessoas morreram,

e muitas outras perderam as casas. Plantações foram destruídas, e muitos locais de

trabalho, inundados. Enquanto isso, na África, nos últimos 18 meses,

20 países declararam estado de emergência pela seca, com grandes

deslocamentos ocorrendo em toda a região do Chifre”, disse.

 

Steiner fez apelo por um mundo sustentável. “Enquanto a catástrofe silenciosa de 4,2 milhões de pessoas que morrem prematuramente todos os anos por causa da poluição ambiental, principalmente relacionada ao uso de combustíveis fósseis, recebe relativamente pouca atenção da mídia, está cada vez mais nítida a consequência dos gases de efeito estufa, concentradores de calor, em eventos climáticos extremos.”

Segundo Steiner, já existe um claro consenso na comunidade científica sobre a relação entre aquecimento global e a gravidade de desastres.

“O aumento das temperaturas está aumentando a quantidade de vapor de água na atmosfera, levando a chuvas e inundações mais intensas em alguns lugares, e a secas em outros. Algumas áreas experimentam ambas, como foi o caso deste ano na Califórnia, onde um recorde de inundações seguiu-se a anos de seca intensa.”

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

sF9xaP