02/10/2017 (11:47)

Scanner inspeciona 100% das cargas no Porto de Paranaguá

Inspeção sobre 100% das cargas que passam pelo Porto de Paranaguá, já está sendo executada. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA)completou o aparato técnico para dar "mais segurança no processo de importação e exportação". Equipamento funciona como máquina de raio-X perto do berço 206 e faz varredura completa em menos de 1 minuto.

 

Arrendatários do Porto, transportam por contêiner produtos como bobinas de aço,

pneus, brinquedos, aditivos de ração animal, ervas medicinais, eletrônicos e

outros. Em tempo rreal as imagens são remetidas à Receita Federal que processa

as liberação da nota fiscal. Num procedimento muito rápido, o scanner pode

apontar qualquer tipo de substância ilícita ou

contrabandeada, como produtos químicos, armas, drogas e radioatividade.


“Com a nova fiscalização, liberamos os contêineres com total segurança e em menos tempo, barateando a logística dos clientes que operam por Paranaguá”, Luiz Henrique Dividino, diretor-presidente da APPA.

 

Luz vermelha, sinal de alerta

Na primeira varredura do scanner o caminhão passa por uma placa que mede a radioatividade da carga. Se dentro do contêiner houver alguma carga líquida ou substância com nível radioativo acima do normal, uma luz vermelha se acende e um sinal sonoro é disparado. Automaticamente, o caminhão é bloqueado e a carga fica retida para análise.

Poucos metros à frente, o caminhão passa por uma trava, que faz a leitura em raio-X e gera a imagem da carga na central de controle. São analisadas diversas situações, como contêineres ditos vazios, mas que contém carga; material escondido; materiais não identificados. As informações são repassadas automaticamente para a Receita Federal, juntamente com os dados da Nota Fiscal e a placa do veículo.

Tem proteção aos operadores

Para garantir que os níveis de exposição não prejudiquem a saúde dos trabalhadores que operam o scanner, os funcionários que acompanham o escaneamento da carga mantém um chip no uniforme. Chamado de dosímetro, o chip mede diariamente a quantidade de radiação a que os funcionários são expostos eventualmente. Ainda que a radiação do equipamento seja mais fraca que a de raios solares, o procedimento é fundamental.

O scanner também é programado para não emitir raios contra a cabine do motorista do caminhão. Desta forma, somente a carroceria do veículo é alvo da emissão do equipamento.

OUTROS SCANNERS

Além do scanner de cargas, a Appa conta ainda com um scanner de palets que pode ser utilizado sempre que requisitado pela Receita Federal.

Para o acesso ao cais, visando a segurança de funcionários e tripulantes, que entram e saem da faixa portuária a pé – outros 2 scanners de bagagens foram instalados nas portarias de entrada do Porto. Funcionam próximos às catracas de identificação, desde 2016. Os equipamentos passam os pertences por esteiras de raio-x que identificam o conteúdo e verificam se há algo irregular na entrada ou saída dos objetos.

No Porto de Santos o uso desses equipamento0s já se faz há mais de 5 anos, com resultados muito positivos em todas as operações de embarque e desembarque.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

BieWd8