29/08/2017 (19:28)

Conselho de Segurança sugere dálogo à Coreia do Norte contra mísseis

“O lançamento de míssil balístico pela Coreia do Norte (170828), em violação às resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas, mina a segurança, a estabilidade regional e os esforços de criar espaço para o diálogo”. É que disse o secretário-geral da ONU, António Guterres após reunião extraordinária do Conselho de Segurança.

 

Em contato com os dirigentes dos países envolvidos, especialmente Japão, Coreia do Sul, EUA e China, Guterres pediu que o governo norte-coreano reabra os canais de comunicação. Nos primeiros dias de agosto o Conselho endureceu as sanções contra as exportações do País no nordeste asiático. Reafirmou decisões anteriores que proibiam a Coreia do Norte de conduzir outros lançamentos usando a tecnologia de mísseis balísticos, testes nucleares ou quaisquer outras provocações.

 

Mais de 2 mil testes nucleares foram realizados nas últimas 70 anos;

desde o Sul do Pacífico à América do Norte, da Ásia Central ao Norte

da África, lembrou Guterres em comunicado para a data. “Prejudicaram

alguns dos povos mais vulneráveis do mundo e os ecossistemas prístinos”.

 

As declarações de Guterres ocorrem no Dia Internacional contra Testes Nucleares, criado para homenagear as vítimas de armas nucleares e lembrar o mundo sobre a persistente ameaça que esses testes representam para o meio ambiente e a estabilidade internacional.

Para garantir que nenhum país realize outro teste, é essencial que o Tratado de Proibição Total de Testes Nucleares (CTBT, na sigla em inglês) finalmente entre em vigor. Restam apenas 8 países incluídos no Anexo 2, a ratificá-lo.

“Peço a todos os países que devem se unir ao tratado o façam o mais rápido possível. Por quase 20 anos, uma norma global existiu contra os testes nucleares baseada em moratórias unilaterais voluntárias. Saúdo essa restrição, mas não é suficiente. Testes nucleares contínuos feitos pela Coreia do Norte demonstram que mesmo a regra mais forte não substitui uma proibição legal vinculativa.”

No ano passado, o Conselho de Segurança adotou sua primeira resolução focada apenas em testes nucleares. “Espero que isso represente um novo impulso rumo à tomada do próximo passo essencial de livrar o mundo da ameaça das armas nucleares”, declarou o secretário-geral da ONU.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

z6yI9D