03/08/2017 (19:54)

Pato-mergulhão se reproduz pela primeira vez em cativeiro, no mundo

No Zooparque de Itatiba, São Paulo (Brasil), nasceram 4 filhotes de pato-mergulhão, ave rara e ameaçada de extinção. Pesquisadores misturaram espécies capturadas no Jalapão, Patrocínio e Serra da Canastra. Com as aves tratadas foram constituídos casais que se entrosaram ampliando a genética. Resultado foram os filhotes ainda preservados do público.

 

O pato-mergulhão, ave aquática conhecida pela habilidade de pescar debaixo d'água, é uma espécie rara. Existem atualmente cerca de 200 exemplares em todo o mundo. Ele é encontrado apenas no Brasil, nas regiões da Serra da Canastra (MG), Patrocínio (MG), Chapada dos Veadeiros (GO) e no Jalapão (TO). Para sobreviver, ele necessita de água limpa e transparente, com corredeiras e abundância de peixes, seu principal alimento.

 

Robert Frank Kooij, gerente-geral do Zooparque (o maior parque privado no Brasil), explicou

que o sucesso da operação científica vem sendo perseguido desde 2011, quando

os estudiosos coletaram ovos do pato, em ninhos encontrados sobre a natureza.  “Em 2011

pegamos o primeiro casal. Em 2015, fomos ao Jalapão, outra região, e pegamos

outra genética. Fomos também a Patrocínio e Serra da Canastra. Com essas regiões diferentes,

formamos vários casais e matrizes”. 

 

A ideia é que esses filhotes, mais tarde, possam ser reintroduzidos na natureza. Segundo Kooij, o objetivo é manter 10 casais reprodutores. “Queremos chegar até 10 casais para criar mais e soltá-los nos lugares onde eles sumiram, como na Argentina e Brasil.

“Criar filhotes é sempre difícil, no entanto nosso esforço foi recompensado por esse ser o primeiro nascimento do pato-mergulhão em cativeiro no mundo”, disse Alexandre Resende, veterinário responsável pelo protocolo de cativeiro da espécie e pelo Departamento Veterinário do Zooparque Itatiba. Ele acompanhou todo o processo, desde a coleta de ovos nos diferentes locais.

 

Segundo o ICMBio, a espécie sofreu declínio populacional devido a alterações

em seu habitat, modificado pela ação do desmatamento, da instalação de

usinas hidrelétricas, pelo turismo desordenado e pela poluição das águas

dos rios. “Se não cuidarmos dos rios aqui no Brasil, vamos acabar com esse pato”, disse Kooij.

 

A reprodução dessa espécie em cativeiro é resultado do Plano de Ação Nacional para Conservação do Pato-Mergulhão (Mergus octosetaceus), que foi desenvolvido por técnicos do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), do Instituto Terra Brasilis, do Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), da Associação Cerrado Vivo para Conservação da Biodiversidade (CerVivo), do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo (USP) e da Reserva Conservacionista Piracema.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

FN8pW4