31/07/2017 (22:37)

Destruição de manguezais pode agravar mais condição do clima

Todos os manguezais não protegidos podem desaparecer nos próximos 100 anos. Estimativas coletadas pela UNESCO indicam que já foram destruídas até 67% das áreas onde o bioma era identificado. Esse é um alerta de Irina Bokova, diretora-geral da Agência da ONU, mais preocupada com a extinção de um ecossistema que absorve dióxido de carbono.

 

Quando estocado nos oceanos e em ecossistemas oceânicos, o gás é conhecido pelo

nome carbono azul. A capacidade de armazenar a substância é “essencial para a

mitigação da mudança climática”, ressaltou a chefe da UNESCO. Assim explicou a

diretora-geral da UNESCO. "Devemos reverter a tendência de degradação

e proteger os mangues, que são tão essenciais para a saúde do planeta”.

 

“Os riscos são grandes, porque os ecossistemas de mangues fornecem benefícios e serviços essenciais para a vida. Do avanço com relação à segurança alimentar, a pesca sustentável, produtos silvestres e a proteção contra tempestades, tsunamis e o aumento do nível do mar até a prevenção contra a erosão da costa, a regulação da qualidade da água costeira e o oferecimento de habitats para espécies marinhas ameaçadas de extinção”, disse Bokova.

“A UNESCO está trabalhando para ampliar as capacidades dos Estados e reforçar seu conhecimento científico, especialmente em países que são altamente dependentes desses ecossistemas, na África e nos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento, sempre realizando atividades com comunidades locais e sempre tomando como base os conhecimentos tradicionais”, informou Bokova em seu pronunciamento.

A diretora elencou ainda outras iniciativas da agência que estão sendo mobilizadas para preservar os mangues, como o Programa O Homem e a Biosfera (MAB), o Programa Hidrológico Internacional (PHI), a Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI) e o Projeto LINKS, de Sistemas de Conhecimento Locais e Indígenas. A UNESCO lidera também o projeto Carbono Azul, que promove a conservação, restauração e uso sustentável de ecossistemas marinhos.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

8KRQI8