26/07/2017 (21:30)

Mais uma companhia aérea interrompe voos à Venezuela

Mais uma companhia aérea está cancelando voos para a Venezuela. É a Avianca, empresa colombiana que vinha atuando na rota durante os últimos 60 anos. Interrupção será a partir do dia 16 de agosto de 2017, conforme comunicado remetido ao Instituto Nacional de Aeronáutica Civil (INAC) venezuelano. Vendas de passagens já estão fechadas.

 

Várias empresas internacionais, especialmente as dos EUA, já não atendem há muito essa rota de Caracas. E as alegações são sempre as mesmas: dificuldades estruturais.

Segundo o presidente-executivo da empresa, Hernán Rincón, os voos que não mais serão ofertados compreendem as rotas Bogotá-Caracas-Bogotá, com 59% de participação no mercado (2 voos diários) e Lima-Caracas-Lima, que tem 77% dos passageiros (1 voo diário). Observa com tom de esperança, no encontro em Bogotpá, que quando houver condições, as viagens irão retornar.

 

No entanto, a empresa acrescentou no comunicado que "examinará" a medida adotada "assim que se saiba os resultados do trabalho técnico que farão as autoridades de ambos países para resolver os impedimentos operacionais e de segurança".

A Avianca disse, além disso, que honrará os compromissos adquiridos com os passageiros, funcionários e fornecedores na Venezuela. Clientes com reserva para voos posteriores a 16 de agosto, poderão solicitar o reembolso de 100% do valor pago pelos bilhetes.

 

Na nota, a empresa não faz referência aos valores devidos pela Venezuela em

relação à venda de passagens. Em 2016, essa dívida era de cerca de R$ 250

milhões. Por causa dessa situação, em 2013 a Avianca reduziu os voos entre Bogotá

e Caracas de sete para dois por dia. O mesmo ocorreu na rota entre

Lima e a capital venezuelana, que caíram de dois para um voo por dia.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

rggj98