19/06/2017 (12:09)

Energia de baixo carbono pressiona demanda por metais

Tecnologias de energia de baixo carbono aliviam a pressão sobre a terra e a água, mas podem aumentar a pressão sobre recursos metálicos. No cenário de até 2 graus, as tecnologias combinadas têm o potencial de reduzir cerca de 25 bilhões de toneladas por ano de emissões de gases do efeito estufa até 2050, 34% menos que emissões esperadas

 

Mais de 200 bilhões de metros cúbicos de água por ano e quase 150 mil quilômetros quadrados de terra poderiam ser poupados até 2050, afirmou o relatório, mas as tecnologias de baixo carbono demandariam mais de 600 milhões de toneladas de recursos metálicos no mesmo período para infraestrutura adicional e fios elétricos.

Até 2050, 90% de penetração das luz de LED, junto com a esperada melhora da eficiência e a descarbonização da geração de energia elétrica, permitiriam que a demanda global por eletricidade crescesse de 2,5 a 3 vezes, com contínua redução do total de energia consumida. Já as tecnologias de energia solar consideradas no relatório reduziriam de 30% a 50% a emissão de gases do efeito estufa de sistemas de aquecimento e esfriamento.

 

Uma transformação radical na forma com a qual a energia é fornecida

e utilizada, será necessária caso o mundo pretenda atingir a meta de

manter o aumento da temperatura global abaixo de 2 graus Celsius,

como previsto pelo Acordo de Paris. No

entanto, os impactos ambientais dessa mudança ainda não estão claros.

 

O Painel Internacional de Recursos, um grupo de especialistas em gestão de recursos naturais ligado à ONU Meio Ambiente, forneceu uma avaliação global sobre benefícios, riscos e compensações do uso combinado de tecnologias de eficiência energética e de energia elétrica de baixo carbono.

No mais novo relatório (170512) em Viena, Áustria, o painel analisou 8 tecnologias de eficiência energética e 36 subtecnologias dos setores de construção civil, indústria e transportes.

O relatório mostrou que enquanto há claros benefícios ambientais com o uso dessas tecnologias, particularmente nas reduções da emissão de gases do efeito estufa, poluição do ar e do uso da água e da terra, há também considerações a serem feitas, como um maior uso de metais.

 

“Estamos no caminho certo. Sabemos que limpar o ar que respiramos nos

trará enormes benefícios tanto para a saúde humana como ambiental. Sabemos,

também, que a energia de baixo carbono pode nos ajudar a reduzir os

danos provocados pelas mudanças climáticas”. São observações

de Erik Solheim, diretor-executivo da ONU Meio Ambiente.

 

“Mas também temos consciência da necessidade de mais ações para a construção de uma economia circular que reduza o lixo e de inovações produtivas que também criem novos empregos verdes e criativos.”

O relatório é importante porque apenas tendo uma foto completa dos impactos das tecnologias de baixo carbono por todo o ciclo, sabemos que os governos e reguladores poderão adotar políticas para maximizar benefícios ambientais.

O documento comparou dois cenários — uma elevação de 6 graus Celsius da temperatura global e um cenário em que seja atingida a meta global de aumento de até 2 graus Celsius.

O relatório concluiu que a produção de energia de baixo carbono e as tecnologias de eficiência energética são necessárias para uma redução substancial das emissões globais de gases do efeito estufa.

As tecnologias de energia de baixo carbono evitam mais do que as emissões de gases do efeito estufa. O relatório concluiu que no cenário de aumento de até 2 graus Celsius, poderiam ser evitadas mais de 17 milhões de toneladas por ano de material particulado (PM, resíduo da queima de combustíveis fósseis) e mais de 3 bilhões de toneladas de emissões tóxicas para humanos.

Clique aqui para acessar o relatório.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

NJOsuB