12/05/2018 (19:45)

Mães das guerras sofrem para cuidar dos filhos

São as mães principais sofredoras de meia centena de guerras que ocorrem hoje pelo mundo. Em países africanos como o Sudão do Sul, que fica no Alto Nilo, não é conhecido o número de crianças e mulheres vitimadas pela morte e gravemente feridas. Mas atualmente é na Síria onde está o pior, pois dos quase 5 milhões de refugiados, mulheres são 40%.

 

Prostituição, estupro, trabalho escravo, são sofrimento

que as mães passam para proteger os filhos e retirá-los

da crueldade dos agressores em países da África. Mas

há escassez de alimentos e apesdar de todos os piores

sacrifícios, muitas vidas são perdidas; maior parte pela fome.

Só na guerra da Síria as mães lutam fervorosamente para levar a lugar seguro, desde a proteção dos imensos campos de estágio na Jordânia até a Europa e Américas. São 8,4 milhões de crianças vítimadas por toda sorte de agressão, inclusive sofrimento físico. Pelo menos 15 mil crianças já foram mortas, sem conseguir chegar a um abrigo seguro junto com os mais de 6 milhões que estão pedindo refúgio.

Desde a amamentação até a busca e o preparo dos alimentos, a luta das mães para salvar os filhos é uma fantástica atitude de coragem e valentia. Muitas preservam os filhos em barracos completamente inseguros para todo tipo de intempérie. Recursos doados pelo mundo, às vezes nem conseguem chegar ao destino, tão cruel é a raiva humana que confronta pessoas do mesmo País, como é o caso da Síria.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

ysSKdw