24/04/2017 (23:59)

América Latina vai crescer 1,1% e Brasil apenas 0,4% diz CEPAL

Crescimento de 1,1% é a projeção para América Latina e Caribe em 2017, conforme análise dos especialistas da CEPAL (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe). Chama atenção o reparo feito nas projeções do Brasil, baixadas para 0,4%. Número mais expressivo é a queda de 7,2% da Venezuela, que há muito está mergulhado em crise social.

 

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) atualizou

as projeções de crescimento da atividade econômica da região para 2017, e

espera uma expansão média de 1,1% durante este ano. A projeção está

levemente abaixo da estimativa feita em dezembro de 2016, de 1,3%.

 

Assim como em anos anteriores, em 2017 o crescimento terá dinâmicas diferenciadas entre países e sub-regiões, informou a CEPAL.

As economias sul-americanas, especializadas na produção de bens primários, principalmente petróleo, minérios e alimentos, terão um crescimento médio de 0,6%. Isso representa uma leve revisão para baixo em relação à projeção de crescimento de 0,9% feita em dezembro passado.

A previsão de crescimento em 2017 leva em conta um aumento da demanda externa — diante da expectativa de maior crescimento de parceiros comerciais dos países da sub-região — e de preços de matérias-primas em média mais altos que os vigentes em 2016.

Para as economias da América Central, a expectativa é de uma taxa de crescimento de 3,6% em 2017, em vez dos 3,7% projetados em dezembro. Isso se explica basicamente pela resiliência observada na demanda interna — que deve ser o principal impulsionador do crescimento este ano — assim como por um bom prognóstico de avanço para o principal parceiro comercial dessas economias, os Estados Unidos.

Para o Caribe de língua inglesa ou holandesa,

a estimativa é de crescimento médio de 1,4%

em 2017, levemente acima da taxa projetada em dezembro (1,3%).

Segundo a CEPAL, para sustentar o crescimento esperado em 2017, é necessário dar um maior dinamismo para o investimento e aumentar a produtividade via inovação, com sustentabilidade ambiental e protegendo o emprego. Nesse contexto, o investimento em infraestrutura deve ter um papel primordial, já que está na base de um crescimento sustentável.

A CEPAL afirma ser necessário potencializar o investimento social e produtivo em meio a ajustes fiscais inteligentes. Nesse sentido, deve-se buscar a sustentabilidade das finanças públicas da região, mas em um contexto de políticas que levem em conta tanto o impacto sobre a capacidade de crescimento no longo prazo, como as condições sociais dos habitantes da região.

Clique aqui para acessar a tabela com as projeções da CEPAL.

 

Seja o primeiro a comentar esta notícia.

Comente esta notícia 

 

8i5A7Y