Carne suína aumenta 13% exportação para a China mas soja cai 21%
Carne suina aumenta 13% nas exportações para a China e em 2020 sera maior.Foto EMBRAPA, Luiza Biezus
22-05-2020 12:28:02 (44 acessos)
Aumentou 13% a exportação de carne suína para a China, durante o ano de 2019. Benefício aos produtores brasileiros foi causado pelo surto de peste suína africana e as disputas de comércio e indústria entre EUA e China. Graças a essa conquista o Brasil está se consolidando como o maior exportador de carne suína e de aves. Já há uma estimativa de 300 mil toneladas a serem embarcadas para o mercado chinês durante o ano de 2020, mesmo com adversidade do coronavírus.

Técnicos da EMBRAPA dizem que a disputa internacional entre os Estados Unidos e a China, aliada ao surto da Peste Suína Africana (PSA) impactaram fortemente o mercado internacional das commodities. Em 2019, o Brasil registrou um incremento de, aproximadamente, 13% nas vendas e na receita com as exportações de carnes para a China. 

O Brasil vem se consolidando como o maior exportador de carnes bovina e

de aves, e ampliando sua participação também no mercado internacional

de carne suína. Em 2019, foram 249 mil toneladas de carne suína exportadas

para a China, um aumento de 59% em relação a 2018. Este ano, a estimativa

é de 300 mil toneladas a serem enviadas para o mercado chinês.

 

Entretanto, em relação à soja, houve um decréscimo de 21% com as exportações para a China. E a soja segue com quedas de volumes exportados, em decorrência do surto da Peste Suína Africana (PSA) que levou ao abate de milhares de animais no continente asiático para evitar a propagação do vírus pelo mundo e também às disputas e negociações de acordos entre China e Estados Unidos. A soja exportada é usada principalmente para a alimentação animal.

A pandemia da Covid-19 tornou-se um dos desafios para o agronegócio mundial e para o brasileiro, em particular. Embora o comércio global de alimentos dê a impressão de normalidade, em meio à forte demanda de importações para a China ocorridas em março e abril, as agências internacionais de risco demonstram preocupação nos relatórios analíticos. Pode haver interrupções na cadeia de suprimentos em decorrência das medidas de contenção da Covid-19, como, por exemplo, no escoamento da produção em portos para exportação.

 

Fonte: EMBRAPA
 

 Não há Comentários para esta notícia

 

Aviso: Todo e qualquer comentário publicado na Internet através do Noticiario, não reflete a opinião deste Portal.

Deixe um comentário

4VUY2