Frutas tropicais podem render mais de US$ 11 bilhões aos produtores
Banana, alimento completo, meio de sobreviencia de pequenos agricultores em Morretes, Brasil
18-07-2019 13:08:49 (364 acessos)
Frutas tropicais, especialmente banana e abacate, podem render mais que US$ 11 bilhões que foi o lucro do triênio 2016-2018. Essa estimativa é feita por produtores brasileiros esperançosos com os "novos ares" no Governo. Número é referente à América Latina e Caribe, cujos países são exportadores de 25% das frutas encontradas pelo mundo. No caso do Brasil as conquistas podem ser mais expressivas, porque o País ainda está livre de pragas, doenças e ameaças por fenômenos climáticos severos.

Em atualização das previsões para o comércio global de alimentos, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) afirmou na quinta-feira (9) que a América Latina e o Caribe estão particularmente bem posicionados para se beneficiar do aumento da demanda internacional por bananas e frutas tropicais. A região já é a maior exportadora desses bens agrícolas no mundo.

Juntos, países latino-americanos e caribenhos formam o segundo maior polo produtor de bananas e frutas tropicais. Estima-se que 25% da produção mundial desses bens agrícolas tem origem na América Latina e no Caribe.

No triênio 2016-2018, a produção regional chegou a uma média anual de 54 milhões de toneladas de bananas e frutas tropicais. Ao longo desse mesmo período, as exportações dos produtos acumularam um total de US$ 11 bilhões, com as bananas e abacates respondendo por US$ 6 bilhões e US$ 3,5 bilhões, respectivamente.

Do volume exportado, 80% vai para os mercados dos países desenvolvidos, principalmente para os EUA e União Europeia. Mas a América Latina e o Caribe também se destacam como uma das principais regiões consumidoras de bananas e frutas tropicais, com a taxa de consumo per capita anual estimada em 55 kg.

De acordo com a agência da ONU, o fato de a região latino-americana e caribenha possuir grande porção de terra no cinturão tropical, contribui com o protagonismo nesse nicho da produção agrícola. Soma-se a isso a proximidade com os EUA, o maior mercado para as principais frutas tropicais. Segundo a FAO, a combinação desses dois fatores deve se traduzir em perspectivas sólidas de crescimento da produção, impulsionadas pelas exportações.

Na avaliação do organismo, espera-se que a produção mundial e o comércio das principais frutas tropicais — manga, abacaxi, abacate e mamão — aumentem devido a um crescimento da renda e mudanças nas preferências dos consumidores, tanto em mercados domésticos quanto de importação. Outra causa por trás do fenômeno seriam as melhorias no transporte internacional.

Mas o futuro também traz preocupações, aponta a FAO, que alerta para os efeitos das mudanças climáticas e os fenômenos naturais extremos. A agência explica que as alterações do clima e os desequilíbrios ambientais são altamente prejudiciais e ameaçam o potencial de produção da América Latina e Caribe.

O território caribenho enfrenta desafios particulares, pois as pequenas ilhas são mais vulneráveis à destruição causada por tempestades tropicais, cada vez mais frequentes.

Outra ameaça é a crescente ocorrência de pragas e doenças que afetam as plantas. A FAO lembra que os sistemas industrializados de produção de bananas e abacaxis são consideravelmente mais suscetíveis a surtos rápidos e generalizados.

Um risco particularmente preocupante, diz a FAO, é o fungo fusarium (Fusarium Wilt Tropical Race 4) no cultivo de bananas. Até o momento, a praga tem se limitado a plantações na Ásia, Oriente Médio e África, mas o parasita já preocupa produtores na América Latina e Caribe.

Mais comércio e desenvolvimento

Segundo a FAO, o impacto do comércio de alimentos no desenvolvimento social, dependerá da inclusão justa dos pequenos produtores, bem como de níveis salariais adequados para os trabalhadores dessas indústrias. Cerca de 200 mil famílias rurais participam diretamente da produção de banana na Guatemala e se beneficiam da cadeia produtiva. No México, cerca de 80% da produção de abacate é realizada por pequenos agricultores.

A agência elencou uma série de ações essenciais para assegurar um desenvolvimento rural sustentável e inclusivo. Entre essas medidas, estão assegurar preços e salários justos, melhorar a produtividade dos agricultores familiares e o poder de barganha, aumentar a resiliência a desastres climáticos e outros choques e conectar os locais de produção remotos aos mercados.

 

Fonte: FAO - Maria Fernanda Seixas
 

 Não há Comentários para esta notícia

 

Aviso: Todo e qualquer comentário publicado na Internet através do Noticiario, não reflete a opinião deste Portal.

Deixe um comentário

NQX6n